DIGITAL

50º aniversário do e-mail: da criação às ações de marketing


21 de Outubro de 2021

Há 50 anos nascia o e-mail, que ao longo do tempo se consolidou como uma das formas de comunicação mais eficientes e utilizadas no mundo. 

Entre 1960 e 1970, a necessidade de estabelecer uma comunicação segura entre bases militares deu origem ao correio eletrônico. 

De lá para cá, as mensagens evoluíram, se diversificaram e ganharam novas aplicações. Atualmente, mais de 10 bilhões de e-mails são enviados a cada hora em todo o planeta por mais de 4 bilhões de usuários.

Uma grande parcela dos e-mails é trocada em ambientes corporativos. Fora do trabalho, o e-mail marketing ocupa boa parte das mensagens nas caixas de entrada. 

Ainda que nesse meio século outros canais de comunicação tenham surgido, as mensagens eletrônicas pavimentaram o caminho para que a internet tenha se tornado a grande ferramenta de marketing que é atualmente. 

Nas empresas, o e-mail foi um divisor de águas que revolucionou e acelerou a comunicação. Contatar fornecedores e clientes é bastante simples e rápido hoje em dia, graças à troca de mensagens entre usuários iniciada em 1971 pelo engenheiro Ray Tomlinson.

Para os departamentos de marketing, a mudança veio em 1978, quando o gerente de Marketing da Digital Equipment Corp, Gary Thuerk, enviou uma mensagem em massa para promover um novo computador, o que rendeu uma bronca do seu superior no Pentágono por “flagrante violação da rede”, porém, este e-mail também rendeu mais de US$ 13 milhões em vendas. Nascia aí um novo canal de vendas com potencial de alcançar grandes audiências.

O ponto de virada, porém, viria quase duas décadas depois, nos anos 1990, com a utilização do HTML, que permitia o uso de diferentes fontes, cores e imagens, além do acesso gratuito a um serviço de e-mail web-based para o público geral. 

Com a popularização, campanhas personalizadas de e-mail marketing passaram a ser possíveis e transformaram o e-mail em um importante meio  de engajamento para as marcas, com formatos dinâmicos e interativos, como as páginas AMP, que permitem ao usuário acessar conteúdos dentro da caixa de entrada, imagens e outros itens de personalização que aumentam a confiança, a relevância, e, consequentemente, se convertem em resultados para as campanhas. 

As empresas podem e devem se beneficiar dos dados gerados a partir dessas ativações via e-mail: Esta ferramenta simples de comunicação se converteu em um gerador de informações, entregues pelo próprio consumidor, a respeito de suas preferências, seus hábitos e interesses.

No entanto, desde o primeiro e-mail enviado com o propósito de obter tais informações sobre os consumidores, em 2001, a preocupação com a relevância das mensagens, e, em consequência, com a reputação do remetente passou a ter prioridade para os departamentos de marketing. 

Isso porque se destacar nas caixas de entrada é um pré-requisito, mas ainda mais importante é manter o interesse e as interações positivas dos clientes.

O e-mail se consolidou como uma das principais e mais sólidas ferramentas de marketing nessas cinco décadas de história, além de grande aliado da maioria das empresas, e, mesmo concorrendo com outros canais de marketing, nunca foi tão utilizado. 

A tecnologia evolui a cada dia para torná-lo cada vez mais eficiente para remetentes e destinatários. Cabe às empresas seguir explorando seu potencial para proporcionar boas experiências, entregar valor aos clientes e gerar resultados.

Tags: artigo | e-mail | cecilia-belele