Live Mkt

Menos é mais - A nova onda dos eventos


20 de Maio de 2020

Ouvi numa dessas milhares de reportagens sobre o Covid-19, que ele mede 100 nanômetros, sendo que um nanômetro equivale a um milionésimo de milímetro, portanto, essa coisa que botou o mundo de ponta-cabeça é menor que um grão de sal, tão minúsculo e ao mesmo tempo tão potente.

Por outro lado, vejo a indústria de eventos, tão grandiosa, os números compilados pelo pessoal do GoLiveBrasil* não me deixam mentir, sendo fortemente impactada por algo tão microscópico. 

Mais de 40 dias sem lançamentos, convenções, inaugurações, posses, desfiles, festas, turnês, competições, entre outros, mas o setor de eventos está se valendo de eventos híbridos e virtuais que já eram uma realidade e agora foram acelerados, e por hora, a única alternativa que temos. 

Porém, os gestores de eventos se preparam e pensam em como retomar suas atividades e estruturam minutas, boas práticas, manuais minimizando riscos e maximizando a confiança de todos os stakeholders envolvidos quando isso for possível. 

Sabemos que nosso mercado, assim como muitos outros, voltarão aos poucos, e, num primeiro momento, será com limitações, com a aplicação de novos protocolos e diferentes formatos. 

O avanço de fases depende da característica do evento, da quantidade de participantes e de como a pandemia regride e mais do que nunca, que uma vacina seja criada e implementada.

Teremos várias fases, mas num primeiro momento, viveremos a Era dos eventos petit comité, palavra de origem francesa que significa “pequenos grupos”. 

Numa concepção livre, seria somente um evento para poucos. O termo relaciona-se ao conceito de uma ação intimista criada com exclusividade; nos dias de hoje, temos que transcender o termo e pensar que os participantes se sintam como convidados especiais, ou escolhidos ou sorteados ou que paguem mais por isso e até mesmo que uma marca patrocine esta participação. 

Já temos versões similares em certas tipologias, e como se diz, nada se cria, tudo se copia ou se transforma, podemos expandir alguns conceitos para as várias áreas, como:

ü Speed meeting: Reuniões pré-agendadas com clientes em feiras que aconteçam em espaços que possam ser controlados, higienizados, com pé direito alto e controle de circulação de pessoas;

ü  Boho chic (bohemian): Exprime um conceito de casamentos hippie, fora de tradições, não convencional e sem grandes produções, pouquíssimos convidados e geralmente ao ar livre, assim como os miniwedding;

ü Hospitality ou camarotes: Existentes ou construídos, serão as possibilidades para assistir shows, competições, filmes, com número restrito de pessoas por espaço e buffet self service, evitando ao máximo a reposição;

ü Mesversário: Aquele conceito de um bolo a cada mês do bebê, onde somente pais, avós e no máximo padrinhos estão presentes no Parabéns, pode ser convertido para o anual. Podemos também, optar por uma festinha de aniversário itinerante onde, são os convidados que dão uma passada rapidinha na frente de casa do aniversariante deixando presentes e o mesmo entregando um kit lembrança/docinho;

ü Drive-in: O formato que surgiu em 1933 nos EUA, volta com tudo para as áreas culturais em específico e trazem segurança, um certo conforto, facilidade e até mesmo uma nostalgia. Espaços grandes se preparam para receber essa invasão saudável de carros. Dentro disso, no esquema drive-thru, já tivemos até mesmo comemoração de colégio para o Dia das Mães e colação de grau da FEA e da Unef;

ü Saraus: Comuns no Século XIX, era reunião nas casas de aristocratas para apreciar literatura e artes para somente alguns poucos convidados. Na versão de agora, distanciamento de fosso de teatros, concha acústica ao ar livre, assim como manifestações artísticas mais diminutas como pocket shows, acústico e de pequenas produções pode ser uma releitura.

São todas alternativas e suposições, para que logo possamos chegar às outras fases, onde possamos voltar a contribuir com o nosso negócio e o negócio dos outros.

Num primeiro momento, parece pouco, mas acredito que o lema agora, e, talvez, durante um bom tempo, seja o “Menos é mais”, frase de Ludwig Mies van der Rohe, arquiteto alemão naturalizado americano que nas suas obras imprimiu uma marca de racionalismo, geometria clara e criou o minimalismo na arquitetura, conceito superapropriado para o nosso momento e que teremos que aplicar. 

Com isso, nossas versões de eventos terão que conseguir com as “novas regras” criadas, com as verbas que não teremos entregar “mais com menos”, mas nem por isso menos grandioso.   

 

*Um movimento que está reunindo lideranças
para combater o Covid-19 e ajudar na recuperação
 sustentável e responsável do setor de Eventos no Brasil.
#GoLiveBrasil #GoLiveTogether

https://www.facebook.com/golivebrasiloficial/

Tags: artigo | melhores-da-semana | Coronavírus | Covid-19 | Líbia Macedo | mercado de eventos | isolamento social | indústria dos eventos