Live Mkt

Do jeito que tá, 'Deus me Live !!!'


9 de Setembro de 2020

Nosso cotidiano em 7 meses virou literalmente um pandemônio, um vírus além de fazer vítimas do bem maior que é a vida, teve um impacto sócio-político-econômico. 

O Covid-19 ainda é uma incógnita, assim como as diretrizes de fases, de liberações e protocolos. No setor de eventos o mantra “Fomos os primeiros a parar e seremos os últimos a voltar” parece que foi interiorizado pelos governantes que não conseguiram ver que muitas tipologias de eventos em especial os corporativos, entregam mais segurança do que praias, bares e academias, bem como podemos ajudar no efeito da crise, com nosso setor colaborando para a economia, mas enquanto isso, vamos nos virando com outras alternativas e rezando para que eles encontrem a luz e nos liberem logo.

Surgiram muitos formatos on-line/streaming/híbrido/vertical*, mas o boom mesmo, foram as lives, isso é fato. Não só no segmento musical, mas também em lançamento de produtos, congressos, defesa de tese, mesa-redonda e o que mais você imaginar. 

Uma alternativa para realizar as ações de eventos necessárias e previstas por empresas e/ou entidades, mas também uma forma de grupos e profissionais criarem uma ponte para vender seus serviços, produtos, expertise e atender ou angariar consumidores ou fãs, bem como se manterem em destaque.

Mas de uns tempos para cá, eu pessoalmente, tenho “ficado de bode” de tanta live e percebi que muitos amigos e conhecidos também verbalizavam isso, descobri que até existe o fenômeno  “Fadiga de zoom” que estudiosos da França e EUA discutem mais a fundo.

Notei que as lives estão sendo organizadas por qualquer entidade ou pessoa, mas que não necessariamente entendem do negócio de reunir pessoas, de promover conteúdo, de destacar o patrocinador, enfim, as lives não deixam de ser EVENTOS, e precisam ter briefing, conceito, produção artística, fornecedores competentes, local adequado, entre outros, senão fica pura e simplesmente uma transmissão de alguma coisa, com mais ou menos um par de 10 pessoas assistindo e não reverte dentro da expectativa e necessidade dos organizadores e ouvintes. Tá faltando 'eventólogo' nas lives, seja pensando, seja executando as mesmas.

Este artigo está longe da pretensão de ser um 'Manual de Organização de Lives', mas traz alguns insights e devaneios que podem ser interessantes, para no mínimo refletir antes de colocar a próxima live no ar.

·  Existem programas com versões gratuitas e pagas, analise os itens entregues e qual atende melhor a sua necessidade. Aliás, tem vários que liberam um número de dias gratuitamente, sendo uma forma de experimentar. Outro ponto é verificar se notificam redes sociais, tem legenda, agendamento, formato de interação, acesso aos vídeos posteriormente, entre outros. 

Além do que muitas empresas de ticketing e áudio/ vídeo, criaram suas plataformas e podem adaptar a sua necessidade, diferentemente dos programas gringos que têm pacotes determinados e suporte limitado. E independente da escolha, por favor, ensaia e testa, para não ficar aquele festival de fecha câmera, trava áudio, não roda vinheta. Show de horror e que espanta o engajamento e demonstra um amadorismo;

·  É preciso pensar numa curadoria, utilizando a acepção da palavra, onde há uma busca pelo conceito/tema, criando um fio condutor que possa ser relevante. Alguns aspectos que contribuem com isso:

- Título da live que seja representativo e instigante e que a fala dos convidados efetivamente entregue aquilo que se propõe. Mas assim como livros e artigos, pode se valer de trocadilhos, prometer respostas, conter palavra-chave, criar um gatilho emocional, identificar que faz parte de um programa semanal, etc;

- Convidados devem ter aderência com o tema e se ele não for o patrocinador da mesma, certifique-se que o papo não vire uma live-merchandising. Outra questão é o desgaste do(s) convidadx(s). Semana passada recebi divulgação de 4 lives com a participação da mesma pessoa, por mais que ela tenha expertise, satura causando desinteresse.

Tente mesclar pontos de vista, localidades, cargos, faixa etária, gênero,... a diversidade enriquece o debate e apoia numa pulverização de divulgação.

Outro ponto, melhor pecar pelo excesso de instrução do que virar meme ou parecer que a live é desorganizada, crie um breve roteiro de como ela será conduzida, que softwares deve baixar, bem como indicações de sinal de internet, links, telefone de apoio e até mesmo sobre o local da casa silencioso, com um fundo adequado e que não sejam  perturbados;

- Moderador, peça fundamental no sucesso da live. Se ele não é um expert no assunto deve se preparar para tal, se ele for expert e amigo dos convidados, ótimo, fica superespontâneo, mas os ouvintes não estão interessados em papos antigos de escola ou de boteco e sim de conteúdo. Certifique-se também do CV do participante e como ele quer ser apresentado e que aspectos destacar, sem falar em obter uma foto que colabore com o layout de sua peça de divulgação. O ambiente da live é mais informal, mas minimamente precisamos destacar a qualidade dos oradores.

Na dinâmica, ser ativo, lendo comentários, elogiar e agradecer a participação, destacar número elevado de participantes, aproveitar para anunciar a próxima live ou até mesmo o link da gravação posterior, se for o caso. Indique, sinalize e cumpra o tempo da live, senão ela fica desgastante, oradores têm que sair na metade sem concluir e não demonstra organização.

- Horário de realização: Não tem um padrão, mas isso depende do perfil/área do participante. Se for sobre visagismo, talvez segunda-feira quando salões de beleza não estão abertos; se for sobre Lei Aldir Blanc, talvez durante o dia possa ter adesão, pois infelizmente profissionais da cultura ainda não estão conseguindo trabalhar, enfim. Sinta a nova dinâmica de isolamento social, as rotinas e até mesmo pesquise por meio de enquetes qual o melhor horário para a realização de suas lives.

- Divulgação: Tenho recebido com frequência pura e simplesmente um post da live, sem contextualização, muitas das vezes sem indicação de links ou se terei oportunidade de rever a mesma, sem falar no efeito cascata de receber em 10 grupos ao mesmo tempo. Assim como os eventos presenciais, temos que ter um plano de divulgação, criar promoções, engajamento, sem falar no design e artes das mesmas. Crie lembretes: “Daqui 30 min....” e uma outra alternativa que tem surgido são sites que compilam lives.

O setor de eventos nunca foi para amadores, isso não mudou porque migrou para o formato híbrido ou somente on-line é necessário ter competência e feeling, e até mesmo na espontaneidade de uma criança, foi preciso o olhar de um diretor-artístico e até mesmo do piloto de drone trazendo um momento “fofucho” para o show.

Fiquem ligados em tudo, evento é ciência dos detalhes e eventos digitais é ciência dos detalhes também, mas lives têm uma dinâmica própria, não é pura e simplesmente um streaming, porque senão 'Deus me LIVE'.

 

*evento sentado e eventos em pé,

não é uma tipologia encontrada em nenhuma literatura,

 foi criada somente pelo Governo do Estado de São Paulo

sem nenhum argumento técnico-cientifico e tão pouco prático

#prontofalei

Tags: artigo | eventos | melhores-da-semana | live marketing | Líbia Macedo | mercado de eventos | profissionais de eventos | eventos presenciais | eventos on-line | lives