Geral

Doente de saudade...


18 de Junho de 2020

Dna. Líbia a Srª pode entrar, consultório número 2

- Boa tarde doutor !!!

* Boa tarde, Doooonaa Líbia, nome diferente, né?!?

    Pode entrar, encoste a porta.

    Em que possa ajudá-la Dna. Líbia, o que anda sentindo??

-  Bem Dr., venho sentindo coisas estranhas, é ...

* A Srª tem tido febre, tosse, cansaço, falta de paladar?

 - Não Dr., pelo contrário. Sem febre alguma, mas ando superdisposta.

O paladar tá ótimo, sentindo o gosto da comida que cozinho - todo santo dia e não tenho comido quentinhas de pavilhão, nem barras de cereal da minha pochete, tão pouco comida de bufê de hotel.

* Sei, sei...mas alguma sensação estranha ou algum incômodo?

- Sabe Dr., tenho tido sonhos, onde estou vestida com uma camiseta de STAFF e escuto vozes dizendo: “QAP Líbia, prossiga” ou às vezes, tenho tirado as roupas pretas do armário e lavado frequentemente ou ao entregar o guardanapo ao meu marido, indico a qual mesa ele deve se dirigir e quando minha mãe liga, às vezes, eu respondo que agora não dá, porque tô passando o som, e a música que está ao fundo é do Spotify. O Sr. acha que eu tô ficando doida?

Ele me olha por entre os óculos e pergunta:

* Essas ocorrências tem acontecido desde quando ?

-  Logo depois que trabalhei nos camarotes do Carnaval de São Paulo e estava fechando um outro projeto. Acho que faz uns 3 meses, mas percebo que tem se intensificado.

* Toma algum medicamento de rotina?

-  Na verdade, não. Antes tomava umas gotinhas do floral Rescue, na véspera de inaugurações ou uns energéticos nas madrugadas de montagem. Porém, tenho ingerido muito chocolate, como nunca aliás.

* Vamos examiná-la Dna. Líbia.

Pressão, temperatura, coração.

Respira e expira com a boca aberta. Mais uma vez, de novo.

Hummm

-  Alguma coisa Dr.?

* Pressão um pouco alterada, sem febre, pulmão ok, o coração batendo forte com uma leve arritmia.

-  Às vezes sinto um aperto no coração mesmo.

* Imagino Dna. Líbia, mas nada para se preocupar.

-  Então Dr. ???

* Dna. Líbia, precisaria de mais exames, mas tenho recebido alguns pacientes com sintomas similares e pela minha experiência acho que a Srª está com Síndrome de abstinência, um quadro clínico típico de “Síndrome de Abstinência de Eventos” que tem afetado gestores e produtores de plantão, onde neurotransmissores que antes geravam uma alegria e energia intensa, principalmente quando esses pacientes avistavam um palco pronto, acompanhavam a construção de um estande, organizavam uma mesa de colação, decoravam um set de foto de formatura, colocavam uma faixa de largada/chegada  e até mesmo com a reclamação de uma dor nas costas e cansaço nos pés por uma noite virada por montagem.

(Escuto e meus olhos se enchem de lágrimas)

* É verdade... tem alguma coisa para melhorar essas sensações todas?

-  Dna. Líbia, pode ser revertido com ações paliativas como lives e outras versões virtuais, mas com o tempo isso se desgasta. Por hora, sugiro um tratamento com eventos híbridos e acredito que deva ir melhorando. Mas, como estamos entrando na fase II aqui em SP, breve essa rotina enlouquecida dos eventos, dos briefings malucos, da falta de verba... ah essas vão ficar mais complicadas, dos prazos curtos, voltam e seus sintomas desaparecerão.

* Mas dói tanto, uma dor não sei de onde, mas dói.

-  Dna. Líbia, esse quadro de saudade é assim mesmo. Essa “enfermidade” é a presença permanente da ausência de alguém ou algo... É quando o corpo segue em frente e o coração fica para trás¹ , não é fácil. Mas é uma questão de tempo para que esses sintomas passem, conforme um drive-in aqui, um pocket show ali, uma minifeira acolá forem surgindo, as crises vão diminuindo. Aproveite para gastar um tempo com Protocolos de Retomada, eles vão ajudar muito nessa recuperação sua e do mercado.

* Tenho feito um pouco disso Dr. inclusive, tenho umas ideias de....

- Viu Dna. Líbia, tenho certeza que logo, logo a Srª se sentirá melhor. Tô prescrevendo aqui, exercícios físicos diários, hidratação, fique em casa mais um pouquinho, e quando der esse aperto no coração, um chá ou o floral que a Srª já tomava. E volte daqui 1 mês.

* Obrigada Dr. me sinto um pouco mais tranquila agora. (Estendo a mão, esquecida dos novos rituais de cumprimento).

- Agora é só com o cotovelo Dna. Líbia, rs.

* Me desculpe, até mais.

- Dna. Líbia, esse radinho e fone pendurado na cintura, talvez seja um pouco over, mas gostei do colete cheio de bolsos.

* Ah, tá me desculpe (pego o radinho e coloco na bolsa).

Saio mais aliviada pelas ruas, coloco o meu fone e deixo rolar essa música do Tim Maia ...

https://www.youtube.com/watch?v=TZQsoLACMW0

¹vhwriter

 

Foto: J.Mantovani.

 

Tags: artigo | Líbia Macedo | isolamento social | distanciamento social