Gente

Como nasceu a coluna da Líbia ...


12 de Fevereiro de 2020

Trim Trim Trim

JF – Alô, queria falar com a Líbia?

LM – É ela, quem fala ?

JF – Oi Líbia, é o Julio Feijó, da Promoview, tudo bem?

LM – Opa, tudo joia Feijó. Que bom que você ligou, aproveito e te parabenizo pela linda festa do Anuário, lotado de gente do mercado, alto astral. Parabéns!

JF – Bacana que você gostou. Foi mesmo legal, pena que não pude falar com todos, ia até falar contigo, como não deu. Tô te ligando.

LM – Manda....

JF – Então Líbia, queria que você escrevesse no Promoview. Você  topa?

LM – Olha que legal, sempre acompanho o site, os artigos dos colegas, se você acha bacana, desafio topado. Posso falar de eventos e também de marketing esportivo. São dois temas que sou apaixonada, tenho trabalhado e pesquisado há mais de 25 anos.

JF – Líbia, fique à vontade. Ambos os temas são pertinentes e o de esporte pouca gente tem abordado por aqui.

LM – Então fechou, aguardo novas instruções e obrigada.

JF – Falamos!

Tu, tu, tu.....ainda ouvindo o barulho do telefone desligado, começo a pensar.

Bacana, Desafio, Será, ...Borá! A gente escreve e espera que os leitores gostem, se não gostarem eles comentam, a gente vai tentando melhorar, né !?!

E que tópico vou abordar no primeiro artigo? É importante essa primeira impressão!

Rascunho várias coisas  e lembro do que sempre digo que sou uma felizarda, porque por mais que a área de eventos seja maluca e desgastante, quando falo a palavra E V E N T O S, todos que ouvem têm uma lembrança, uma referência agradável, gostosa, positiva, pois elementos como diversão, comemoração, novidade, pessoas, interação, vendas, homenagem, entre outras sempre vem à mente. Então, quando alguém trabalha numa área como essa é muito bacana (eu acho, pelo menos). Vou falar disso então.

Posso abordar, que mesmo sendo bacana percebo que os profissionais que organizam eventos e clientes que demandam eventos, vêm atuando no piloto automático. Em parte pelos briefings rasos, pelas verbas diminutas, prazos para ontem e falta do que eu chamo de 'Check list Conceitual'. Mas se eu falar disso, tenho que explicar que elementos constituem esse check list conceitual, tais como: 

•    Definir: qual a definição de eventos para : a empresa (organizadora), para o cliente (momento/produto/serviço),  para os fornecedores, para quem frequenta. Às vezes cada um entende, percebe, idealiza de forma diferente e aí fica parecendo músico afinando instrumento tudo junto, não sai música, só barulho; não há dúvidas que sabem tocar, mas cada um tocando do seu jeito não sai harmonioso e não parece uma orquestra; 
•    Função: qual é a intenção de fazer ou estar num evento? Qual o objetivo? Sua participação é meio ou fim ?  
•    Referências: falo que podemos ter realizado 100 convenções, mas elas não são iguais, mesmo sendo a mesma tipologia, representam características diferentes dependendo da marca solicitante, do perfil da empresa, de onde acontece, e de expectativas e modelos que os personagens envolvidos nesse evento tem em sua mente;

Vou falar disso, que tento sempre entender esses elementos quando vou trabalhar ou criar um evento. Acho que vou falar somente do primeiro item, das definições que eu gosto, vou falar de duas : aquela da amiga Cecilia Giacaglia:

“ Evento tem como característica principal propiciar uma ocasião extraordinária num encontro de pessoas, com finalidade específica a qual constitui o tema  principal do evento e justifica a sua realização “

Ou aquela do colega João Sachetti da Apecate (Associação das Empresas de Congressos, Turismo e Eventos de Portugal) que me disse um dia: “Evento é comunicação no estado sólido.” Preciso explicar que minha predileção por estas, é porque na da Giacaglia, indica a questão de algo “especial” quando fala do “extraordinário”, e  é isso que temos que criar, propiciando momentos únicos, sem palavras para quem estará lá.

Já na de Sachetti, é o fato de “tangibilizarmos” nossa mensagem, de maneira subliminar, efetiva e paupável. Se conseguirmos isso, teremos clientes e consumidores felizes e objetivos alcançados. 

Com certeza esperam que eu fale da minha definição, mas tenho várias, porém vou destacar, aquela: “Evento é uma poção (mágica&real) que cria envolvimento entre marcas, pessoas e motivos, condicionando todos  numa relação positiva.”  

Acho importante indagar ao leitor se ele já tem uma definição de E V E N T O S ? ? ? Se deixam claro a definição deles nos projetos que apresentam? No site da empresa? No treinamento dos funcionários? Na seleção dos fornecedores? Enfim….um DNA.

Quero que o texto finalize instigando a todos que devem compreender sempre os eventos que fazem e entendam o olhar tanto dos que participam quanto dos que patrocinam. 

Vou falar também que para mim “Evento é ciência dos detalhes” e vamos abordar vários detalhes nesses nossos encontros na coluna. 

Agora já sei sobre o que vou escrever, só organizar num texto.

Vamos aguardar quando terei que enviar.

Este é um artigo semificção, 
qualquer semelhança com nomes, pessoas, 
fatos ou situações da vida real 
NÃO terá sido mera coincidência.

Tags: Artigo|Opinião|Ensaio