Esta página pode utilizar cookies.

Maior São João do Mundo encolheu

Nem mesmo as tradicionais festas juninas do Nordeste brasileiro escaparam dos cortes provocados pela crise econômica. Com orçamentos reduzidos, shows foram cancelados, o público diminuiu e a rede hoteleira amarga prejuízos. O maior São João do mundo, em Campina Grande, na Paraíba, não é mais tão grande quanto em anos anteriores. O investimento passou de R$ 11 milhões, em 2014, para R$ 8,5 milhões este ano.

No final de maio, o governo estadual decidiu cortar o repasse de verbas destinadas a festividades e eventos públicos durante um período de 40 dias. A decisão obrigou a prefeitura de Campina Grande a cancelar contratos com vários artistas. Até mesmo Zé Ramalho, que marca presença todos os anos no evento, foi retirado da programação oficial. A taxa de ocupação de hotéis também segue a tendência de queda e deve ser de 70% este ano. Em 2014, 90% dos quartos foram ocupados.


No mesmo compasso, o número de ações de live marketing das empresas também sofreu queda. Levantamento exclusivo realizado pelo Promoview mostra que o número de ações caiu na ordem de 30%. Foram 92 ativações registradas nas atualizações diárias do nosso site em 2014 contra 67 nesta temporada junina.

 

 

Em Pernambuco, a procura por hospedagem para as festas juninas também foi menor na comparação com o ano passado. No Recife, a ocupação este ano é de cerca de 40%, porcentagem 22% menor que em 2014. Em Caruaru, que tem a segunda maior festa junina do país, a ocupação da rede hoteleira registrou queda de 12%, a maior dos últimos anos. A programação também sofreu alterações com a redução dos custos. A grade de shows conta com mais de 80% de artistas locais e da região. A crise afastou o público de outras regiões do Brasil.

Diante do cenário desfavorável, os empresários do setor estão com dificuldades para arcar com despesas básicas, como gastos com a folha de pagamento de funcionários e contas de luz. Comerciantes também culpam o longo período de estiagem como um dos fatores da crise.

 


Pelo menos sete cidades pernambucanas cancelaram os festejos juninos e outros 12 municípios cortaram os gastos por causa da crise econômica. Em Fortaleza, a verba para o Circuito de Festivais Ceará Junino foi a mesma do ano passado, pouco mais de R$ 2,5 milhões. No entanto, a ocupação hoteleira apresentou queda. Os dados referentes ao período das festas juninas ainda vão ser atualizados, mas o secretário de Cultura, Guilherme Sampaio, já adiantou que não são animadores.

Um retrato de como a crise vem afetando o setor foi observado em 24 de junho, dia de São João. Com a baixa procura neste ano, o tradicional Centro de Abastecimento e Logística de Pernambuco quase não abriu. O funcionamento aconteceu somente em um expediente e exclusivamente para a venda do milho.