Esta página pode utilizar cookies.

Em 2009, eram al­gu­mas cen­te­nas de ami­gos fan­ta­si­a­dos can­tan­do mar­chi­nhas nas ru­as de Be­lo Horizonte. Oi­to anos de­pois, o car­na­val mo­le­que e des­pre­ten­si­o­so da ca­pi­tal mi­nei­ra to­ma pro­por­çõ­es de um ne­gó­cio milionário. Além dos blo­cos de rua, que são re­co­nhe­ci­da­men­te as es­tre­las da fes­ta, a fo­lia be­lo-ho­ri­zon­ti­na atrai pa­tro­cí­nio de mul­ti­na­ci­o­nais, con­ta com even­tos pri­va­dos du­ran­te os di­as de fo­lia e a apre­sen­ta­ção de ar­tis­tas de re­no­me na­ci­o­nal, que, em ou­tros car­na­vais, eram vis­tos ape­nas no ei­xo Rio-Bahia.

En­tre re­cur­sos pú­bli­cos e pri­va­dos, o in­ves­ti­men­to na fes­ta mo­mes­ca em BH ul­tra­pas­sa R$ 11 milhões. A ex­pan­são es­tron­do­sa ali­men­ta tam­bém a dis­cus­são de co­mo ser gran­de sem aban­do­nar o es­pí­ri­to de­mo­crá­ti­co e des­con­traí­do que fez a fes­ta ga­nhar a aten­ção do Brasil. Nes­te ano, a es­ti­ma­ti­va da Pre­fei­tu­ra de Be­lo Ho­ri­zon­te é de que mais de 2,4 mi­lhõ­es de fo­li­õ­es par­ti­ci­pem do car­na­val na ci­da­de, sen­do 500 mil turistas.

Mais de 350 blo­cos vão se apre­sen­tar nas ru­as e ave­ni­das, en­tre eles o ba­da­la­do Mo­no­blo­co, que ar­ras­ta mul­ti­dõ­es no Rio de Janeiro. Se al­gum tem­po atrás a ca­pi­tal fi­ca­va às mos­cas du­ran­te o car­na­val, ago­ra, o fo­li­ão tem, além da pro­gra­ma­ção de rua gra­tui­ta, um car­dá­pio efer­ves­cen­te de even­tos fe­cha­dos e pagos. Há in­gres­sos que che­gam a cus­tar R$ 180. “O car­na­val es­tá de­man­dan­do ou­tras op­çõ­es de quem não quer ir pa­ra a rua. Es­ses sho­ws che­gam pa­ra so­mar”, co­men­ta a di­re­to­ra ar­tís­ti­ca do Fes­ti­val Car­na­vá­lia, Ca­rol de Amar.

O even­to, que ocor­re de sá­ba­do a ter­ça-fei­ra no Par­que das Man­ga­bei­ras, vai con­tar com sho­ws de Nan­do Reis, Os Pa­ra­la­mas do Su­ces­so e Ka­rol Conka, en­tre outros. “Se­ria uma lou­cu­ra tra­zer es­sas atra­çõ­es num ou­tro mo­men­to”, co­men­ta Ca­rol, ao ex­pli­car que a pro­pos­ta é mes­clar atra­çõ­es que fu­jam tam­bém do es­pe­ra­do pa­ra o carnaval. A ex­pec­ta­ti­va de pú­bli­co é de 6 mil pes­so­as por dia e o in­ves­ti­men­to al­can­ça R$ 1,5 mi­lhão, sen­do R$ 600 mil em cachês. As ban­das dos blo­cos de rua de BH são pre­sen­ça obri­ga­tó­ria, se­gun­do ela.

“A es­sên­cia do car­na­val são eles”, destaca. A di­re­to­ra ar­tís­ti­ca res­sal­ta que par­te sig­ni­fi­ca­ti­va dos in­gres­sos, en­con­tra­dos a par­tir de R$ 60, tem si­do ven­di­da pa­ra fo­li­õ­es de São Paulo. No Mi­ran­te Olhos D'Água, Zo­na Sul da ca­pi­tal, ha­ve­rá even­tos em cin­co di­as, com atra­çõ­es a exem­plo de Wes­ley Sa­fa­dão e Tu­ca Fer­nan­des, ex-vo­ca­lis­ta do Jam­mil e Uma Noites. “A gen­te sa­be que a pre­fei­tu­ra não con­se­gue ofe­re­cer a es­tru­tu­ra que de­ve­ria ter na rua pa­ra um even­to gra­tui­to, en­tão abriu a de­man­da pa­ra even­tos com mais segurança. E con­se­gui­mos tra­ba­lhar com gran­des atra­çõ­es”, re­for­ça o pro­du­tor da Box En­tre­te­ni­men­to, Eduar­do Bran­dão, que es­tá pre­pa­ran­do seis even­tos du­ran­te o car­na­val de BH.

“Quan­do li­gá­va­mos co­tan­do um ar­tis­ta, con­se­guia até mais barato. En­ten­de­ram que BH en­trou na ro­ta”, re­for­ça Bran­dão, que pro­duz even­tos du­ran­te o car­na­val pe­lo quar­to ano. Os ca­chês pa­gos pa­ra as atra­çõ­es so­mam R$ 2,5 milhões. O in­ves­ti­men­to to­tal ul­tra­pas­sa os R$ 4 mi­lhõ­es e o pú­bli­co es­ti­ma­do che­ga a 40 mil pessoas. O cres­ci­men­to da fo­lia deu mai­or pe­so pa­ra a ne­go­ci­a­ção com fá­bri­cas de be­bi­das que pa­tro­ci­nam o evento.

“A ne­go­ci­a­ção é mai­or que o do­bro do úl­ti­mo ano”, afir­ma, sem re­ve­lar cifras. Da rua pa­ra os pal­cos, blo­cos de car­na­val de BH se pro­fis­si­o­na­li­zam e en­tram no mer­ca­do do car­na­val por meio da for­ma­ção de bandas. Uma das mais de­man­da­das nes­se pe­rí­o­do é a Ban­da Bri­lha, bra­ço co­mer­ci­al do Blo­co En­tão, Brilha. Du­ran­te o pe­rí­o­do de pré-car­na­val e no car­na­val, a for­ma­ção de 13 mú­si­cos fa­rá oi­to apre­sen­ta­çõ­es em even­tos fechados.

“Os mú­si­cos são pro­fis­si­o­nais que vi­vem de mú­si­ca e par­ti­ci­pam do blo­co, fo­men­tan­do a qua­li­da­de mu­si­cal e artística. A ban­da é o es­pa­ço em que exis­te uma re­la­ção mais pró­xi­ma com o ca­pi­tal”, des­ta­ca Di Sou­za, mú­si­co da Ban­da Bri­lha e ma­es­tro do bloco. O En­tão, Bri­lha é um dos mais pro­cu­ra­dos blo­cos de BH e des­fi­la no sá­ba­do de car­na­val, com mais de 250 ritmistas. “É quan­do não exis­te uma do­mi­na­ção do capital. Há a cons­tru­ção co­le­ti­va de mui­tas pes­so­as so­man­do nes­sa fes­ta”, reforça. Ape­sar do su­ces­so da ban­da, se­gun­do Di Sou­za, ain­da não dá pa­ra se sus­ten­tar so­men­te com ela.

“Re­ce­be­mos dig­na­men­te pe­lo tra­ba­lho, mas es­ta­mos lon­ge de vi­ver de­le”, res­sal­ta o mú­si­co, que pre­fe­re não re­ve­lar o ca­chê cobrado.   For­ma de pa­tro­cí­nio ali­men­ta po­lê­mi­ca   O cres­ci­men­to do car­na­val de Be­lo Ho­ri­zon­te cha­ma a aten­ção da ini­ci­a­ti­va pri­va­da e atrai o pa­tro­cí­nio de multinacionais. A gi­gan­te Am­Bev, fa­bri­can­te e dis­tri­bui­do­ra de be­bi­das, in­ves­te pe­lo quar­to ano na fes­ta mo­mes­ca de rua em BH e apoia 20 even­tos que ocor­re­rão na ci­da­de du­ran­te o carnaval.

O va­lor exa­to não é re­ve­la­do, mas po­de ter che­ga­do a qua­se R$ 2,5 milhões. O for­ma­to do pa­tro­cí­nio, en­tre­tan­to, ain­da é al­vo de crí­ti­cas por par­te dos blo­cos de rua. Uma das ques­tõ­es mais po­lê­mi­cas gi­ra em tor­no da ex­clu­si­vi­da­de da ven­da de be­bi­das da mar­ca pa­tro­ci­na­do­ra, além da as­so­ci­a­ção de­la à ima­gem dos blo­cos de rua. O as­sun­to foi al­vo de ma­ni­fes­to dos blo­cos de rua, que co­bram mai­or par­ti­ci­pa­ção nas de­fi­ni­çõ­es so­bre in­ves­ti­men­tos pri­va­dos na fes­ta popular.“A fes­ta vai ga­nhan­do uma di­men­são, uma res­pon­sa­bi­li­da­de mui­to grande.

Sou a fa­vor do in­ves­ti­men­to pú­bli­co no car­na­val, por cum­prir uma fun­ção so­ci­al im­por­tan­te, en­ten­den­do co­mo in­ves­ti­men­to em cul­tu­ra”, ob­ser­va o an­tro­pó­lo­go e fo­li­ão Ra­fa­el Bar­ros, in­te­gran­te do Fi­lhos de Tcha Tcha. Ele afir­ma que, uma vez que o po­der pú­bli­co de­ci­de acei­tar pa­tro­cí­nio, é pre­ci­so dis­cu­tir es­ses ter­mos com a população. “Es­se in­ves­ti­men­to de­ve­ria po­ten­ci­alizar os gan­hos pa­ra a ci­da­de e pa­ra a festa. Afi­nal, a em­pre­sa es­tá ex­plo­ran­do a ima­gem do car­na­val e dos blo­cos du­ran­te um mês”, afirma.

O ge­ren­te de ma­rke­ting re­gi­o­nal da Am­Bev em Mi­nas Ge­rais, Mau­rí­cio Lan­di, res­sal­ta que a em­pre­sa tem man­ti­do con­ta­to pró­xi­mo com blo­cos e pre­za pe­la ca­rac­te­rís­ti­ca da fes­ta po­pu­lar em BH. “Uma das nos­sas fren­tes é fo­men­tar a ce­na local. Re­co­nhe­ce­mos co­mo im­por­tan­te es­sa ca­rac­te­rís­ti­ca de­mo­crá­ti­ca e he­te­ro­gê­nea do car­na­val de BH”, afirma. So­bre a ex­clu­si­vi­da­de da ven­da de be­bi­das da mar­ca, ele afir­ma que se tra­ta de item pre­vis­to no edi­tal e, co­mo in­ves­ti­do­ra não ha­ve­ria o in­te­res­se da em­pre­sa de ver mar­cas con­cor­ren­tes sen­do ven­di­das pe­los ambulantes. “O fo­li­ão po­de com­prar a mar­ca que ele qui­ser nos ba­res, no su­per­mer­ca­do, le­var de ca­sa”, diz.