Esta página pode utilizar cookies.

Qualquer pessoa que navegue pela internet e suas maravilhosas redes sociais já deve ter entrado em contato com os Chuck Norris Facts, as eternas histórias/piadas sobre os feitos absurdos do ator que foi astro do cinema de ação norte-americano nos anos 70 e 80.

Os “fatos” absurdos protagonizados pela celebridade, que inclusive foram aproveitadas para sua participação em “Os Mercenários 2”,  foram alimentados a princípio pelas cenas de ação completamente fora da realidade que ele protagonizava em seus filmes, mas depois ganharam vida própria e se tornaram talvez um dos primeiros memes a serem replicados na rede mundial de computadores.

Não deixa de ser curioso, então, quando marcas resolvem apelar para o ator como garoto-propaganda de suas campanhas, ainda mais porque elas geralmente fazem as peças mais insanas à partir da imagem de Norris.

É o caso, pelo menos, da Toyota, que chamou o astro da ação para protagonizar um dos três comerciais da ação “Let’s Go Places”, que divulga os novos modelos de sua linha de carros.

Intitulado “Tough as Chuck”, o vídeo centrado na imagem de Norris é de longe o mais maluco dos três, mostrando uma caminhonete Tacoma que, autografada pelo ator, passa a praticar atos com o mesmo grau de impossibilidade que os dele.



Tem de tudo, desde carro surfando e subindo em árvore até o ponto do veículo vencer alguém no xadrez. A peça fica ainda mais absurda quando se revela o próprio Norris assistindo o comercial e questionando inconformado para a publicitária se eles realmente o substituíram por uma caminhonete.

A parte mais bizarra do comercial, porém, não é o seu conteúdo, mas sim quem esteve por trás da concepção. Produzido pela Biscuit Filmworks, o vídeo é dirigido por Andreas Nilsson, o mesmo cara que há alguns anos foi responsável por aquela propaganda da Volvo em que Jean-Claude Van Damme fazia o “espacate definitivo” em cima de dois caminhões da fabricante.

Embora empalideçam perto de “Tough as Chuck”, os outros dois vídeos de “Let’s Go Places” também tem sua cota de bizarro. Enquanto “Tag” apresenta uma brincadeira de pega-pega entre carros (?), “So Beautiful” mostra uma comunidade que provoca todo tipo de acidente na vizinhança depois de avistar os modelos da marca passando pela rua.