Esta página pode utilizar cookies.
Warning (2): getimagesize(/wp-content/uploads/2011/01/internet.jpg): failed to open stream: No such file or directory [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 44]
Notice (8): Trying to access array offset on value of type bool [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 46]
Warning (2): Division by zero [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 46]
Notice (8): Trying to access array offset on value of type bool [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 46]

ITU (International Telecommunications Union), a agência da ONU responsável pelas telecomunicações, publicou um estudo recentemente que aponta números avassaladores sobre a presença das pessoas na internet. São mais de 2,8 mil milhões de pessoas, que representa quase um terço da humanidade - um total de 6,8 mil milhões de pessoas - está on-line.

Estes números, no entanto, ainda são pequenos se comparados com a taxa de penetração dos telefones celulares: 70% da população mundial, hoje, tem um telefone móvel. O estudo apontou ainda que a maioria dos internautas (57%) vive hoje em países emergentes, como a China e o Brasil. Nos países árabes o número de utilizadores de internet duplicou em menos de cinco anos, chegando a 88 milhões. “No início de 2000 eram 500 milhões os subscritores de serviços de telefonia móvel em todo o mundo e 250 milhões de utilizadores de internet”, apontou o secretário-geral da ITU, Hamadoun Toure. No início de 2011 o número de utilizadores de telefones celulares chegou a cinco bilhões e os utilizadores de internet aumentaram oito vezes, chegando a dois bilhões. Ao mesmo tempo, as linhas de telefone fixo diminuíram e hoje são inferiores a 1,2 bilhões em todo o mundo. A ITU destacou ainda que em 82 países (dos 192 reconhecidos oficialmente pela ONU), há planos oficiais para o desenvolvimento da banda larga e, em aproximadamente metade destes países, o acesso à rede por intermédio de banda larga, é considerado um serviço universal, como a electricidade, enquanto, em outros, é encarado como um "direito legal dos cidadãos".