Esta página pode utilizar cookies.

A marca de cosméticos Lush cedeu a vitrina de sua loja na rua Regent Street, em Londres, para uma ação de marketing sustentável contra produtos testados em animais. A empresa, que é conhecida por seu posicionamento ecológico e sustentável, organizou um “protesto” em parceria com a Humane Society International bastante chocante. Uma voluntária de 24 anos de idade se submeteu a diversas práticas comuns em laboratórios de testes de produtos em animais ali, em uma das mais movimentadas ruas da Capital britânica. [caption id="attachment_336264" align="aligncenter" width="562"] A marca de cosméticos Lush cedeu a vitrina de sua loja (Foto: By netiando.com).[/caption] A estudante de Oxford, Jacqueline Traide, permaneceu dez horas na vitrina da loja. Ela foi forçada a comer, recebeu injeções, foi cobaia de testes de líquidos e cremes, teve seu cabelo raspado e sua boca esticada ao máximo por um aparelho de metal. “Espero plantar uma semente de consciência nas pessoas, para que elas realmente comecem a pensar sobre como os produtos são produzidos antes de comprá-los”, disse ela, que permaneceu muda durante todo o protesto. [caption id="attachment_336267" align="aligncenter" width="562"] Jacqueline Traide teve a cabeça raspada (Foto: By netiando.com).[/caption] [caption id="attachment_336268" align="aligncenter" width="562"] Forçada a beber (Foto: By netiando.com).[/caption] [caption id="attachment_336269" align="aligncenter" width="562"] Forçada a comer (Foto: By netiando.com).[/caption] O protesto chamou bastante atenção de quem passava. Centenas de pessoas ficaram chocadas ao assistir a sessão de “tortura”, segundo reportagem do tabloide britânico "Daily Mail". “O irônico é que se fosse um cachorro na vitrina e nós estivéssemos fazendo todas essas coisas com ele, em poucos minutos teríamos a polícia e a Organização Protetora dos Animais aqui”, disse o gerente de campanha da Lush, Tmsin Omond. [caption id="attachment_336270" align="aligncenter" width="562"] Jacqueline Traide permaneceu dez horas na vitrina da loja (Foto: By netiando.com).[/caption] [caption id="attachment_336272" align="aligncenter" width="562"] Torturada com objetos de metal (Foto: By netiando.com).[/caption] A publicação destaca que, em muitos lugares do mundo, muitos animais estão passando pelos mesmos procedimentos e não recebem a devida atenção. “Apesar da prática ter sido proibida na União Europeia há três anos, ainda é legal na Grã-Bretanha receber produtos testados em animais que foram produzidos nos Estados Unidos ou no Canadá. Na China, inclusive, esses testes são exigidos por lei”, destaca Wendy Higgins, porta-voz da Humane Society International. [caption id="attachment_336273" align="aligncenter" width="562"] Jacqueline Traide foi cobaia de testes de líquidos e cremes (Foto: By netiando.com).[/caption] Ela disse ainda que é “moralmente impensável” que as empresas de cosméticos continuem a lucrar a partir do sofrimento de outros seres e concluiu: “Não existe nenhuma justificativa para submeter os animais à dor por causa da produção de batons e sombras”. Fonte: Época