Esta página pode utilizar cookies.
Warning (2): getimagesize(/wp-content/uploads/2012/04/Desmatamento-Floresta-Amazônica11-560x370.jpg): failed to open stream: No such file or directory [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 44]
Notice (8): Trying to access array offset on value of type bool [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 46]
Warning (2): Division by zero [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 46]
Notice (8): Trying to access array offset on value of type bool [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 46]

Os Estados que integram a Amazônia Brasileira vão realizar um evento paralelo durante a realização da Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável. A Rio+20. Será o "Fórum de Governadores da Amazônia e o Encontro de Desenvolvimento Sustentável da Amazônia Brasileira". A revelação foi feita pelo secretário de Meio Ambiente, Vicente Falcão de Arruda Filho, que participou na última quinta-feira (12/04) no Centro de Eventos Pantanal, em Cuiabá, da 66ª Reunião Ordinária do Fórum Estadual de Turismo de Mato Grosso. Do evento paralelo será elaborado um documento com a visão desses Estados sobre os temas em foco durante a Rio+20: Economia da Sustentabilidade e Inovação (Floresta, Energia, Indústria, Serviços) e Gestão Participativa e Conservação da Sociobiodiversidade. A Rio+20 acontecerá entre os dias 11 e 24/06. “Esse documento seria uma espécie de norteador do desenvolvimento sustentável da região e um instrumento orientativo para a consolidação da posição negociadora brasileira durante a Rio+20, fortalecendo a posição dos Estados da Amazônia Brasileira em relação aos temas ambientais”, explicou o secretário. Na Carta da Amazônia serão abordados vários temas ambientais, sociais e econômicos como o papel do Estado, clima, desmatamento, incentivo ao manejo florestal com exploração de baixo impacto, biodiversidade, recursos hídricos, energia, REDD+, serviços ambientais, implementação de áreas protegidas, regularização ambiental, erradicação da pobreza, trabalhos decentes, empregos verdes e responsabilidade social das empresas, promoção da igualdade racial, cultura, educação, saúde entre outros. Para a construção desse documento, que vem sendo chamado de Carta da Amazônia, Dimensão Ambiental, os nove Estados que integram a Amazônia Legal estão consultando e colhendo internamente propostas de grupos considerados majoritários pela Organização das Nações Unidas (ONU), como formadores de opinião, iniciativa privada, trabalhadores e sindicatos, mulheres, crianças e juventude, agricultores, povos indígenas, autoridades locais, ONGs e comunidade científica e tecnológica. Em Mato Grosso, uma grande reunião com a participação de representantes de vários segmentos, prevista para acontecer nos primeiros dias do mês de maio, servirá para consolidar essas propostas que serão encaminhadas nos dias 30/05 e 1º/06, a uma reunião em Belém onde a versão definitiva do documento será fechada. Após o Fórum Estadual do Turismo, já estão marcadas reuniões com o Conselho de Desenvolvimento Rural Sustentável (18/04), Fórum Estadual de Mudanças Climáticas (20/04), Conselho Estadual de Desenvolvimento Empresarial (24/04), Conselho Interinstitucional de Educação Ambiental (24/04), Conselho Estadual do Meio Ambiente (26/04) além de reunião com representações indígenas.