Esta página pode utilizar cookies.
Warning (2): getimagesize(/wp-content/uploads/2013/04/Corrida-Vertical.jpg): failed to open stream: No such file or directory [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 44]
Notice (8): Trying to access array offset on value of type bool [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 46]
Warning (2): Division by zero [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 46]
Notice (8): Trying to access array offset on value of type bool [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 46]

A Corrida Vertical Etapa Brasil, será neste sábado (27/04), no Edifício Abril (Avenida das Nações Unidas, 7221 - Pinheiros). As inscrições já podem ser feitas no site. O evento é realizado pelo IBDE, sob colaboração do Instituto Maker (do Grupo Mix Brand Experience), promo da Revista Runner’s e apoio da Lei de Incentivo ao Esporte e Ministério do Esporte. O objetivo da competição é o de completar a prova em menos tempo e as inscrições estão divididas nas seguintes baterias, válida para atletas amadores e de elite: Feminino/Masculino - 18 a 30 anos de idade / 31 a 40 anos de idade / 41 a 50 anos  e acima de 51 anos de idade. A Corrida Vertical chegou ao País em 2010, quando aconteceu a etapa brasileira do circuito mundial de Vertical Running Circuit, e, desde então, tem trazido campeões mundiais às corridas de escadarias ao Brasil, tais como os atletas Thomas Dold, Fabio Ruga e Suzan Walsham, que conquistaram os primeiros lugares do circuito 2012. Com a chegada da modalidade ao País, o número de atletas e não atletas brasileiros aumenta a cada edição, as inscrições chegam a se encerram em poucas horas depois de abertas. “Conquistamos desde um público não atleta, que aderiu às escadarias em seu dia a dia, até profissionais de montanhismo”, disse Marco Scabia, sócio- diretor da Mix Brand Experience e representante da ISF - Federação Internacional de Skyrunning no Brasil. Outro aspecto interessante são os benefícios à saúde que a corrida em escadas provoca no organismo, o impacto nas articulações é pequeno e o gasto calórico chega a ser dez vezes maior em relação às corridas comuns. “É uma atividade viável para uma cidade como São Paulo, repleta de arranha-céus”, acrescenta Scabia.