Esta página pode utilizar cookies.

O segmento de shows continua prosperando no mercado de mídia e entretenimento brasileiro – é o que revela a 16ª edição da pesquisa 'Entertainment and Media Outlook' da PwC. O Brasil é o segundo maior mercado de música ao vivo na América Latina, depois do México. A receita total deste segmento (incluindo as vendas de ingressos e patrocínios) aumentou de U$ 165 milhões em 2010, para U$ 205 milhões em 2014 e deverá atingir U$ 280 milhões em 2019, com um crescimento médio de 6,4% ao longo do período. Segundo Gardênia Rogatto, gerente sênior da PwC Brasil e especialista em mídia e entretenimento, o crescimento desse mercado é impulsionado pela realização de megaeventos como a Copa do Mundo, Olimpíadas, e a consolidação de uma agenda de festivais nos últimos anos. “O País entrou na rota dos principais festivais do mundo. Com a infraestrutura construída para a Copa do Mundo, as Capitais possuem espaços que possibilitam trazer para o Brasil concertos internacionais além do eixo Rio-São Paulo. E a procura pelos brasileiros tem correspondido à oferta.”, explica. Ainda de acordo com a gerente, as pessoas, hoje em dia, buscam cada vez mais viver experiências diferentes. Uma das consequências desta mudança de perfil é que o público brasileiro tem viajado cada vez mais pela América Latina para assistir shows de suas bandas favoritas ou da atualidade, o que fomenta o mercado de turismo interno e externo. “O brasileiro aproveita o fato de sair de sua cidade não só para assistir a um determinado show, mas também para explorar o que o destino oferece.”, completa. Música Considerando todo o mercado da música, o Brasil tem uma projeção de crescimento médio de 1,8% nos próximos cinco anos – maior que o cenário global (0,8%). No entanto, a forma como os brasileiros consomem música está mudando, de acordo com a pesquisa da PwC. Em 2019, é esperada uma queda de 23% nos gastos com músicas gravadas em formato físico, em comparação ao ano passado. O streaming deve se tornar o principal modelo de consumo de música dos brasileiros. A pesquisa aponta que os gastos com este formato tem um crescimento médio de 6,2% até 2019.

Foto: Reprodução/Google.
mercado de shows ao vivoEm cinco anos, os gastos do consumidor e dos anunciantes com música também será maior no digital – representará 19% do mercado, com um crescimento médio de 4,5%, enquanto o formato tradicional terá um CAGR de apenas 1,2%. “A escolha do consumidor em ouvir música da forma que acha mais conveniente para si, abre espaço cada vez maior para o streaming. As pessoas não querem mais perder tempo em downloads musicais, o que beneficia o crescimento do consumo em plataformas como o Spotify.”, destaca Gardênia Rogatto. Metodologia Em sua 16ª edição, o levantamento avaliou os gastos dos consumidores e investimentos com publicidade em 54 países. A análise foi realizada em 13 segmentos do entretenimento, que inclui TV aberta e fechada, revistas, jornais, internet, música, outdoor, cinema, games, entre outros.