Esta página pode utilizar cookies.
Warning (2): getimagesize(/wp-content/uploads/2011/01/29_samambaia.jpg): failed to open stream: No such file or directory [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 44]
Notice (8): Trying to access array offset on value of type bool [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 46]
Warning (2): Division by zero [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 46]
Notice (8): Trying to access array offset on value of type bool [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 46]

Na tentativa de trazer o Parque Ibirapuera "para dentro" do Pavilhão da Bienal, um jardim suspenso formado por 1,5 mil vasos de samambaia foi instalado em uma das áreas principais do evento. A ideia foi do diretor criativo da São Paulo Fashion Week, Paulo Borges, numa proposta de maior interação com o parque.

[caption id="attachment_92616" align="aligncenter" width="580" caption="A decoração com samambaias foi uma atração à parte na SPFW."][/caption] A empresária Ester Sneider, saiu de sua chácara em Atibaia, no Interior de São Paulo, para conferir o desfile da Neon e disse que não esperava encontrar tanto verde no interior do prédio. "Achei maravilhoso. Frequento a SPFW há pelo menos cinco anos e essa decoração é uma das mais bonitas que já vi. O ar até muda por causa das samambaias, o ambiente está mais fresco", afirmou. Pela primeira vez na Bienal para conferir a SPFW, o também empresário José Roberto Thomaz, acredita que o jardim de samambaias remete imediatamente à questão ecológica e da sustentabilidade. "De certa forma, é até obrigatório um evento como esse trazer qualquer detalhe ligado ao meio ambiente", afirmou. Além do jardim suspenso, a organização do evento incluiu outros elementos "ecológicos" em sua cenografia. Lixeiras espalhadas pelo prédio são feitas com papel reciclado e as paredes foram revestidas de papelão. O público presente ao evento também pode conferir plantas hidropônicas, que são cultivadas com uma necessidade menor de agrotóxicos. Fonte: Simone Sartori