Esta página pode utilizar cookies.
Warning (2): getimagesize(/wp-content/uploads/2012/04/ibiuna-entrada-1-560x420.jpg): failed to open stream: No such file or directory [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 44]
Notice (8): Trying to access array offset on value of type bool [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 46]
Warning (2): Division by zero [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 46]
Notice (8): Trying to access array offset on value of type bool [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 46]

A pequena Ibiúna, município paulista de 71 mil habitantes, a 60 quilômetros de São Paulo, poderá ter um aeroporto municipal. Nos próximos dias, a Câmara Municipal deve aprovar o "protocolo de intenções", firmado no mês de março entre a prefeitura local e a Eiko Engenharia, para a construção de um aeroporto com capacidade para movimentar 3,5 mil passageiros por dia, em um terreno de 151 hectares, o equivalente a 1,5 milhão de metros quadrados. [caption id="attachment_188433" align="aligncenter" width="560" caption="Cidade de Ibiúna receberá novo aeroporto"][/caption] Se aprovado o acordo inicial, a Eiko, que já atua nas obras de modernização do Terminal de Cumbica, em Guarulhos (SP), terá prazo de 60 dias para apresentar o plano de trabalho técnico do aeroporto, cuja previsão de entrega é de 36 meses. O investimento para a construção - com terminal de passageiros e de carga, é estimado em R$ 500 milhões. Mas outro volume de recursos do mesmo valor deverá ser aplicado por empresas privadas em empreendimentos no entorno da obra, como hotéis, shopping, estacionamentos e até uma nova rodoviária. "A localização de Ibiúna é estratégica para sediar um aeroporto na região sudeste do Estado de São Paulo", diz Paulo Niyama, secretário de saúde e de governo da Prefeitura de Ibiúna. A cidade está a 40 quilômetros do Rodoanel, que interliga as principais rodovias paulistas e conta com uma estrada de ferro que a liga ao porto de Santos. A perspectiva de construção de mais um aeroporto no interior do Estado de São Paulo amplia as oportunidades de negócio da aviação regional. Estudo da Associação Brasileira das Empresas de Transporte Aéreo Regional (Abetar), realizado no fim do ano passado, identificou um grande potencial de demanda nos mais de 200 aeroportos regionais do País, o que abre a perspectiva para investimentos privados. "Só para atender ao crescimento da demanda de 174 aeroportos regionais, serão necessários investimentos de R$ 2,4 bilhões até 2015", afirma Anderson Correia, especialista em transporte aéreo, responsável pelo estudo da Abetar. Para a entidade, o sucesso das licitações realizadas para a concessão dos aeroportos de São Gonçalo do Amarante, no Rio Grande do Norte; Campinas e Guarulhos, em São Paulo; e de Brasília, que renderam ao governo cerca de R$ 30 bilhões, deve estimular as ações visando à privatização dos aeroportos regionais. A UTC Participações, uma das empresas do consórcio vencedor da licitação para modernização do aeroporto de Viracopos, em Campinas, diz que as pretensões do grupo são de participar de outras concessões aeroportuárias no País. "Não só pretendemos como já estudamos algumas oportunidades presentes no mercado brasileiro, de aeroportos regionais e menores, que podem se transformar num bom negócio", afirma João Santana, presidente da Constran e diretor da U TC, a holding que coordena o projeto de Viracopos. "Temos avaliado algumas oportunidades em São Paulo, na Bahia e na Amazônia." De acordo com Santana, a aviação regional tem crescido muito no volume de passageiros e de cargas, por conta do crescimento econômico. Um dos alvos da UTC é o aeroporto João Durval Carneiro, em Feira de Santana, a 109 quilômetros de Salvador. No ano passado, o terminal passou por reformas,  impermeabilização e rejuvenescimento da pista, construção de muro de proteção e limpeza da área -, com investimentos de R$ 1,8 milhão. Mas agora foi contratada uma consultoria com recursos do Banco Mundial para elaborar um projeto mais amplo de modernização, que deverá contar com dinheiro do setor privado. O objetivo é transformá-lo em um polo aéreo regional para distribuição de cargas mais leves, como produtos eletroeletrônicos. "No Nordeste, estamos vivendo um intenso aumento do tráfego no modal aéreo, de carga e de passageiros, por conta da expan são da economia", diz José Sérgio Gabrielli, ex presidente da Petrobras e atual secretário do Planejamento da Bahia. "Para isso, precisamos contar com o apoio da iniciativa privada." Grandes empresas privadas nacionais têm apostado nesses aeroportos regionais como forma de evitar o congestionamento dos grandes terminais aéreos brasileiros.