Esta página pode utilizar cookies.
Warning (2): getimagesize(/uploads/2016/04/images/vehicleprototype.jpg): failed to open stream: No such file or directory [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 44]
Notice (8): Trying to access array offset on value of type bool [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 46]
Warning (2): Division by zero [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 46]
Notice (8): Trying to access array offset on value of type bool [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 46]

Já não é novidade se falar em carros autônomos que são capazes de se locomoverem sem intervenção de motoristas. Mas antes que estes veículos estejam realmente aptos a serem usados de fato, uma série de burocracias precisam ser atendidas. Para lidar com essa etapa urgiu uma nova aliança entre gigantes da tecnologia e do transporte.

Entre os nomes que entraram na parceria estão Google, as fabricantes de automóveis Ford e Volvo e as empresas de transporte Uber e Lyft, que têm interesse direto em poder oferecer serviços sem depender de motoristas. O objetivo do grupo é “trabalhar com legisladores, regulamentadores e o público para concretizar a segurança e os benefícios à sociedade dos carros autônomos”.

Atualmente, a situação dos veículos autônomos nos Estados Unidos permite que os veículos sejam usados em testes, mas eles são altamente limitados pela legislação e regulamentação, impedindo que uma pessoa comum possa circular sem interferir na direção.

De acordo com o Olhar Digital, a união de gigantes como Google, Ford, Volvo e Uber praticamente força os reguladores a observarem com mais atenção a situação dos veículos autônomos, e deve acelerar seu processo de liberação.

Entre os temas que a nova aliança pretende tratar é a questão da culpa no caso de acidentes. Quando (ou “se”) um carro autônomo causar uma colisão, a responsabilidade é da pessoa que está dentro do veículo mas não o está dirigindo, ou de quem programou o carro? É o tipo de questão que ainda precisa de solução antes que os carros autônomos comecem a tomar as ruas.