Esta página pode utilizar cookies.
Warning (2): getimagesize(/wp-content/uploads/2010/12/google-book-search-3.jpg): failed to open stream: No such file or directory [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 44]
Notice (8): Trying to access array offset on value of type bool [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 46]
Warning (2): Division by zero [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 46]
Notice (8): Trying to access array offset on value of type bool [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 46]

Chegou à internet no dia de ontem (06/12), o "Google Books", anunciada como a maior livraria digital da internet, com mais de três milhões de livros disponíveis. A informação é do G1. “Acreditamos que essa será a maior biblioteca de livros eletrônicos do mundo”, disse o porta-voz da empresa Jeannie Hornung. “Incluindo os livros gratuitos, tem mais de três milhões de títulos disponíveis no novo serviço”.

O lançamento vai oferecer à companhia possibilidade de concorrência com a Amazon, dona do leitor digital Kindle, atualmente o dono do segmento de livros eletrônicos. O projeto foi lançado nos Estados Unidos com três meses de atraso e nasceu com um nome diferente do que era esperado – "Google Editions". Não é de hoje que o Google planeja a digitalização em massa de livros. Em março de 2009, o assunto já rondava as pauta de tecnologia e inclusive já era tema de polêmica com a Amazon. A dona do Kindle havia assumido posição contrária ao plano, afirmando que o projeto proposto viola leis de defesa da concorrência. A Amazon sugeriu, então, que a Justiça deveria rejeitar o acordo fechado entre o Google e a Authors Guild porque o acerto previsto constitui uma prática de fixação de preços. No acordo fechado em 2005, o Google aceitou pagar 125 milhões de dólares para criar o Registro de Direitos de Livros, onde autores e editoras podem registrar trabalhos e receber compensação pelo uso de suas obras. Os rivais do Google, Microsoft e Yahoo!, também se opuseram ao plano, enquanto a Associação de Bibliotecas da América e a Associação de Bibliotecas de Pesquisa pediram supervisão da Justiça.