Esta página pode utilizar cookies.
Warning (2): getimagesize(/wp-content/uploads/2014/05/jogos-da-copa-no-calor.jpg): failed to open stream: No such file or directory [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 44]
Notice (8): Trying to access array offset on value of type bool [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 46]
Warning (2): Division by zero [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 46]
Notice (8): Trying to access array offset on value of type bool [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 46]

A Federação Nacional dos Atletas Profissionais de Futebol (Fenapaf) entrou no dia 19/05, com uma ação judicial contra a Fifa cobrando a mudança de horário de partidas da Copa do Mundo deste ano marcadas para começar no início da tarde em algumas cidades-sede, informou a entidade que representa os jogadores do Brasil. De acordo com a Fenapaf, que é filiada ao sindicato internacional dos jogadores (Fifpro), um estudo encomendado pela entidade brasileira aponta graves riscos à saúde em decorrência do calor nas partidas iniciadas às 13h e às 15h nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. A tabela da Copa do Mundo, que vai de 12/06 a 13/07, tem 12 partidas com início marcado para as 13h nessas regiões, incluindo Itália x Uruguai em Natal, Estados Unidos x Alemanha em Recife e Alemanha e Portugal em Salvador.

Foto: UOL.
[caption id="attachment_397518" align="aligncenter" width="562"] Candreva tenta se refrescar no forte calor de Fortaleza durante a Copa das Confederações em 2013.[/caption]   Ainda que o Mundial seja realizado durante o inverno, a temperatura máxima média em Salvador, por exemplo, no mês de junho chega a 27 graus centígrados, de acordo com o site Climatempo. A Fenapaf confirmou por e-mail à Reuters que entrou com a ação no dia 19/05, solicitando a mudança dos horários das partidas, mas não informou detalhes sobre o caso. Ao apresentar na semana passada um estudo que a entidade realizou no mês de julho do ano passado sobre o impacto para os jogadores ao disputar partidas no início da tarde nos locais citados, o advogado da associação disse que a questão representa um problema trabalhista. "A Justiça Brasileira tem plena condição de obrigar a Fifa a alterar os horários desses jogos, pois se trata de um problema trabalhista que deve ser resolvido nesse âmbito. A Constituição Brasileira não permite que um trabalhador corra risco em sua atividade", disse o advogado Eduardo Novaes, em nota da Fenapaf.
Fonte: http://espn.uol.com.br