Esta página pode utilizar cookies.
Warning (2): getimagesize(/wp-content/uploads/2014/04/Maracatu-Bloco-de-Pedra.jpg): failed to open stream: No such file or directory [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 44]
Notice (8): Trying to access array offset on value of type bool [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 46]
Warning (2): Division by zero [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 46]
Notice (8): Trying to access array offset on value of type bool [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 46]

O festival Estação Catraca Livre vai realizar a sua última rodada de show amanhã (24/04), a partir das 15h30. A estação de metrô Faria Lima será palco dos grupos Pepe Cisneros e Cuba 07; Mutrib; Charlie e os Marretas; e Maracatu Bloco de Pedra que trazem os ritmos musicaisfunk/soul, maracatu, jazz e instrumental. O festival é realizado pelo Catraca Livre e promovido por Trident – marca de chicletes. [caption id="attachment_391892" align="aligncenter" width="562"] Maracatu Bloco de Pedra é uma das atrações do Estação Catraca Livre (Foto: Divulgação).[/caption] O primeiro a subir ao palco vai ser o pianista cubano Pepe Cisneros e a banda Cuba 07 às 15h30, apresentando músicas clássicas com o melhor do Afro Cuban Latin Jazz. Pepe, que além de pianista, também é percussionista, arranjador, compositor e produtor, já tocou com Caetano Veloso, Jorge Benson, Omara Portuondo, e outros. O Mutrib traz a música instrumental, às 16h30. O show da banda e? uma grande viagem musical, com influência turco-cigana e africana. Utilizando instrumentos como tuba, clarinete, saxofone, acordeom, zabumba, e outros. Às 17h30 é a vez do Charlie e os Marretas, uma banda voltada para as pistas, para o baile e influenciada pelo som funk/soul. Consagrado na noite paulistana por suas performances intensas e dançantes, o grupo desenvolveu um repertório autoral vibrante, em que o ritmo do funk old school é misturado ao hip-hop, ao jazz e à música latina. O Bloco de Pedra finaliza o festival, às 19h, com o ritmo maracatu representado por meio da percussão, da dança e do canto, com todo o gracejo e o vigor da cultura popular brasileira. Em seu repertório, o grupo canta toadas tradicionais (tipo de canção predominante no nordeste, cantada como uma fala rítmica, rimando), bem como composições de própria autoria.