Esta página pode utilizar cookies.
Warning (2): getimagesize(/wp-content/uploads/2013/09/oficina_hiphop-foto-denisson-alves.jpg): failed to open stream: No such file or directory [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 44]
Notice (8): Trying to access array offset on value of type bool [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 46]
Warning (2): Division by zero [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 46]
Notice (8): Trying to access array offset on value of type bool [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 46]

O projeto ‘Cultura Hip Hop: a arte que educa’ promoverá até o mês de dezembro, aulas de grafite, break (dança), rap e técnicas de DJ para jovens do Bairro Coqueiral, na Zona Norte de Aracaju (SE). Para Jeferson Santos, atual presidente da Associação Sergipana de Hip Hop, o edital de Apoio a Oficinas Culturais, iniciativa do Governo de Sergipe, por meio das Secretarias de Estado da Cultura (Secult) e da Inclusão, Assistência e do Desenvolvimento Social (Seides), e que faz parte do plano ‘Sergipe Mais Justo’, plano estadual de combate à pobreza extrema, foi de muita importância para que o projeto seguisse adiante. [caption id="attachment_327645" align="aligncenter" width="580"] Jovens participam de oficinas de grafite, rap e break (Foto: Divulgação/Denisson Alves/Secult).[/caption] “Há 11 anos estamos com esse projeto, e graças ao apoio do edital conseguimos colocar em prática varias ideias e hoje temos um espaço físico, uma estrutura para realização das nossas atividades e podemos profissionalizar jovens aqui da comunidade”, disse. Além das aulas de arte, a oficina promove entre os alunos debates sobre a educação popular, procurando unir a prática artística com atividades pedagógicas. “Aproveitamos as aulas de arte para debater com os jovens o que podemos fazer para agregar mais jovens a esses projetos artísticos”, destaca. Segundo Josemir Carlos, participante do projeto, as aulas têm sido um meio de ocupar a mente e conhecer novas práticas culturais. “Eu quis participar do projeto porque aqui não aprendemos somente a dançar, conhecemos também como surgiu o movimento hip hop. E além do mais, nos mantêm ocupados, longe dos perigos das ruas”, afirmou. Alexandre Alcântara, outro participante da oficina, concorda com o amigo. “É uma boa oportunidade para conhecer coisas novas, e até pensar em seguir uma carreira artística, de repente”, ressalta.