Esta página pode utilizar cookies.

O Google está tentando construir uma Matrix?

No clássico de ficção científica “Matrix”, grande parte da humanidade foi imersa em um mundo utópico criado por máquinas inteligentes para colocar placas nas pessoas e utilizá-las como fonte de energia.

O Alphabet, holding do Google, está tentando construir um mundo semelhante para nós. Certamente, neste mundo – vamos chamá-lo de “Alphatrix” – não seremos convertidos em baterias humanas. No entanto, a empresa vai prosperar, extraindo dinheiro de nossas necessidades, desejos e comportamentos neste novo mundo imersivo. O Alphabet já ganhou quase meio trilhão de dólares em valor de mercado ao colocar uma comissão sobre a intenção humana na internet por meio de pesquisa. No Alphatrix, este imposto sobre a intenção será incorporado na rede de nossas vidas e fornecerá a “fonte de energia” para alimentar sua necessidade insaciável de crescimento.

Como o Alphatrix pareceria?

Se o Alphabet encontrar seu caminho, em alguns anos, estaremos vivendo em casas conectadas de forma inteligente com a tecnologia Google Home e usando headsets de realidade virtual Google. Vamos trocá-los por dispositivos de realidade aumentada como o Google Glass quando sairmos de casa. Usaremos roupas conectadas com controles gestuais com a tecnologia Project Jacquard do Google. Entraremos em carros autônomos com tecnologia Android Auto. O Waze deixará de monitorar o tráfego para determiná-lo. O Sidewalk Labs do Alphabet acredita que em breve construirá cidades conectadas do zero. Imagine carros, semáforos, estacionamentos, calçadas que se movimentam, restaurantes, lojas, hospitais e casas, tudo instantaneamente e harmoniosamente coreografado em uma orquestra perfeita, um Matrix. A publicação Healthcare IT News chegou a sugerir que o Google Cloud Machine Learning poderia ser usado para “gestão da saúde da população” (talvez nos tornaremos baterias humanas afinal).