Os desafios do Ceará para impulsionar o turismo

06/09/2018


Novas rotas turísticas que fujam do óbvio, mas que garantam o cenário perfeito para uma selfie, mais conectividade, sustentabilidade, eventos o ano inteiro e uso de Big Data.

Atualmente, todas as principais tendências para o turismo no mundo passam por inovação. Esta também pode ser a alavanca para que o Ceará se consolide na rota dos principais destinos internacionais.

O Estado já tem a seu favor o aumento do números de voos internacionais, em razão do hub da Air France-KLM/GOL, inaugurado em maio deste ano. Serão pelo menos 60 frequências por semana no Aeroporto de Fortaleza até o fim de 2018. Porém, para transformar estas oportunidades em desenvolvimento econômico e social, é preciso avançar na qualificação do destino.

Algumas estratégias já estão em curso. A "Rota das Emoções", roteiro que reúne atrações em quinze municípios do Ceará, Maranhão e Piauí, será um dos projetos beneficiados pelo recente convênio, de R$ 200 milhões, assinado entre o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Ministério do Turismo e Empresa Brasileira de Turismo (Embratur) para aumentar a competitividade de pequenas e médias empresas do setor.

Até o fim deste ano, por exemplo, o Parque Nacional de Jericoacoara começará a implantar o voucher digital, sistema que, por meio de pulseiras com chip entregues gratuitamente ao turista que adquire os passeios, permite controlar a entrada e saída dos visitantes.

O modelo já é usado no Parque dos Lençóis Maranhenses (MA) e está em implantação no parque do Delta da Parnaíba (PI). "É uma experiência que tem dado certo não só para melhorar a arrecadação, mas porque permite entender o ciclo do turista e, assim, planejar melhor as ações", afirma o coordenador da Rota das emoções pelo Sebrae, Luís Wagner Muniz.

Ele reforça, porém, que a ideia é também desenvolver novos circuitos em municípios cearenses, como Camocim e Chaval, que também integram a Rota das Emoções. "Quando você vê só Jericoacoara, que recebe 30 mil turistas em um fim de semana, cidade lotada, começa a preparar outros produtos. Camocim, por exemplo, tem uma praia linda, mas não tem banheiro público, rampa de acesso, atrativos. Nosso papel é desenvolver negócios.", observa.

Durante o Turismo Summit 2018, evento realizado em Brasília para debater os desafios para criação de destinos mais inteligentes e inovadores no Brasil, o ministro do Turismo, Vinícius Lemmertz, destacou que o Ceará também precisa melhorar a ambiência de negócios, sobretudo, em relação às leis ambientais. Muitas vezes, a burocracia em relação à obtenção de licenças afasta investidores do Estado.

"O Aeroporto de Fortaleza está melhorando, o Centro de Eventos do Ceará é fantástico, o empreendedorismo está no sangue do cearense. Mas, na captação do investimento, o Estado ainda está batendo na trave, é preciso dar segurança jurídica aos negócios.", destaca o ministro. "Fazer com que os investimentos públicos caminhem junto com os privados são fundamentais para que o desenvolvimento turístico ocorra", acrescenta.

Alexandre Garrido, coordenador da ISO de Turismo Sustentável, pondera, no entanto, que as mudanças não podem atropelar a sustentabilidade. "Os impactos precisam ser administrados. O destino que têm práticas sustentáveis, melhorando a qualidade da experiência, faz com que o turista fale bem do lugar, saiba que está investindo em algo que está sendo conservado, fideliza e fortalece a imagem do destino.", diz.

Rota das Emoções

A Rota das Emoções é um roteiro criado em 2005 e une as três principais atrações e santuários turísticos do Piauí, Ceará e Maranhão. Contempla o Parque Nacional de Jericoacoara (CE), Área de Proteção Ambiental do Delta do Parnaíba (PI) e o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses (MA).

Fonte: Redação Promoview.