Mais turistas, mais dinheiro para os cofres públicos e novas oportunidades de emprego e renda em diversos setores, especialmente para quem tiver qualificação profissional.

Tony
 

Um Rio de oportunidades

29/09/2017

Mais turistas, mais dinheiro para os cofres públicos e novas oportunidades de emprego e renda em diversos setores, especialmente para quem tiver qualificação profissional.

A expectativa de 170 mil novos postos de trabalho, com o programa Rio de Janeiro a Janeiro, ao longo de 2018, acelera a fomentação de cursos de especialização e já faz empresários traçarem planos para redimensionar e qualificar suas equipes.

É o caso do Antônio's Bar, na Lapa, que tem 22 funcionários, mas em época de grandes eventos, dobra o número de colaboradores. "Na Olimpíada, o movimento foi tão bom, que contratamos o dobro do nosso quadro atual. Só no Rock in Rio as vendas aumentaram em 30%, ou seja, o turismo é um grande incentivo e é vital para nossa atividade", afirmou Paulo Oliveira, gerente do estabelecimento.

Desempregado há duas semanas, o cozinheiro Rafael Nunes espera não ficar muito tempo de braços cruzados e já se prepara para as novas oportunidades em 2018. "Estou sempre me qualificando e adquirindo novas experiências. Por isso não fico muito tempo sem emprego. Comecei como auxiliar de cozinha e depois passei a cozinheiro", contou.

Antônio Rodrigues, dono do Restaurante Belmonte, também na Lapa, garante que qualificação profissional é sinônimo de cliente conquistado. Para atender bem turistas estrangeiros, ele pagou um curso de inglês para os seus empregados antes da Copa de 2014.

"Funcionários mais bem preparados e segurança reforçada, no nosso caso, como o Lapa Presente, a tendência é que a clientela volte sempre e possamos aumentar o número de funcionários", afirmou o empresário. "Contratamos até intérprete para atender melhor todos os estrangeiros", lembrou o gerente do Belmonte, Paulo Martins.

O barman do Belmonte, Francisco de Assis, já tinha trabalhado na época dos Jogos Rio 2016 no restaurante. Posteriormente foi demitido, mas, graças a sua persistência na qualificação da função, acabou sendo recontratado à vaga. "Eu fico sempre tentando me aperfeiçoar nos drinques do cardápio e tentando ciar alguns novos. Isso faz a diferença na hora de contratação", ensinou.

De acordo com um levantamento da Fundação Getúlio Vargas (FGV), o Programa de Janeiro a Janeiro prevê, em 2018, 20% a mais de visitantes nacionais e do exterior. O calendário já tem 104 eventos confirmados, mas pode ser expandido, pois o Ministério da Cultura lançou uma nova etapa de inscrição para novos projetos, de 16 de novembro a 15 de dezembro. As novas ações serão avaliadas com base em critérios desenvolvidos pela FGV, como impacto no turismo, geração de emprego e inclusão social. 


Fonte:: Redação