Durante o Wired Festival, na Cidade das Artes, na Barra da Tijuca, participantes pararam para assistir ao primeiro voo do ex-fuzileiro da Marinha britânica, Richard Browning, CEO da Gravity.co.

AVERA
 

"Homem de Ferro" fez voo durante o Wired Festival

03/12/2017

Durante o Wired Festival, na Cidade das Artes, na Barra da Tijuca, participantes pararam para assistir ao primeiro voo do ex-fuzileiro da Marinha britânica, Richard Browning, CEO da Gravity.co.

Após ter desenvolvido um traje voador, semelhante ao do personagem da Marvel, Richard ficou conhecido como “Homem de Ferro”. Dezenas de pessoas se aglomeraram no pátio para assistir à primeira de algumas apresentações dele no festival.

Segundo a reportagem, o voo durou poucos segundos, mas foi o suficiente para surpreender quem passava pelo local. Richard provocou uma ventania e fez um pequeno voo sobre as águas do canteiro da Cidade das Artes.

“Foi impressionante. Não tenho outra palavra para descrever. Não tinha expectativas de que ele voaria só com a resistência do ar. O objetivo dele é pousar e não voar. Isso é incrível. Outras pessoas já conseguiram desenvolver tecnologias para voar, mas ele consegue dominar tudo. O controle que ele tem é impressionante”, disse Fábio Mehlem, de 25 anos, que vibrou com o voo.

Nicolas Rangel, de 13 anos
, ficou boquiaberto com a perfomance do ex-fuzileiro. Para ele, que é um apaixonado por tecnologia, Browning realmente parece o “Homem de Ferro”.

“Eu achei muito legal poder ver ele voar assim por todos os lugares. Foi bem divertido”, disse.

Para Richard Browning, diversão também foi a palavra da vez. Segundo ele, o mais divertido de todas as apresentações é ver a surpresa nos olhos do público.

“Eu fiz isso por diversão. É muito engraçado ver o rosto das pessoas sem acreditar no que estão vendo. Elas simplesmente não acreditam que um homem está voando”, disse, aos risos.

O “Homem de Ferro” levou um ano para produzir todo o design, e a tecnologia do traje custou cerca de 450 mil dólares. Ele confessa que passou por alguns apertos. “Tivemos algumas dificuldades. Na verdade, estamos sempre evoluindo e aprendendo novas formas de lidar com o equipamento”, revelou.

De acordo com o texto, os próximos planos da Gravity.co incluem as crianças. Há meses, Richard vem trabalhando em um protótipo infantil do traje usado por ele e que deve ficar pronto em janeiro de 2018.

“Meus filhos adoram a roupa e queriam experimentar. Mas é perigoso para crianças. Então, resolvi criar algo que desse a elas uma sensação semelhante. Não será um voo, mas será um grande salto. Estamos produzindo um protótipo da roupa para que eles saltem bem alto e sintam um pouco do gosto de voar”, finalizou.
 

O Wired Festival foi realizado por Edições Globo Condé Nast e O Globo, com patrocínio da Petrobras, Embratel, Grupo Pão de Açúcar e Braskem, apoio de Cerveja Sol e apoio institucional da Cidade das Artes.


Fonte:: Redação