O “Gastronomia Sustentável” faz parte do For the Better, um dos compromissos globais da empresa para ajudar a enfrentar os principais desafios mundiais, como fome, má nutrição, desperdício de alimentos e consumo responsável.

Electrolux implementa projeto global “Gastronomia Sustentável” no Brasil

30/10/2017

O “Gastronomia Sustentável” faz parte do For the Better, um dos compromissos globais da empresa para ajudar a enfrentar os principais desafios mundiais, como fome, má nutrição, desperdício de alimentos e consumo responsável.

Além disso, também coopera para o atingimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, estabelecidos pela Agenda 2030 da ONU. O programa é subsidiado pela Food Foundation, instituição global da Electrolux que apoia iniciativas locais voltadas para comida e sustentabilidade.

“O principal objetivo da Electrolux com este projeto é trabalhar em prol das comunidades locais, empoderando a população por meio de habilidades gastronômicas e, consequentemente, gerando uma transformação social ao ajudar os participantes a ingressarem no mercado de trabalho”, explica Ricardo Cons, CEO da Electrolux para a América Latina.

A chef Morena Leite será a embaixadora do projeto piloto e contribuirá com seu expertise gastronômico e envolvimento em projetos sociais próprios para enriquecer ainda mais a capacitação profissional das pessoas selecionadas para o “Gastronomia Sustentável”.

Curso de gastronomia e empregabilidade

Nessa primeira etapa, a Electrolux oferecerá 10 semanas de aula, sendo oito semanas de curso prático e duas teóricas, para 20 moradores da região da CIC (Cidade Industrial de Curitiba) selecionados criteriosamente pelos Centros de Referência da Assistência Social da Regional CIC – FAS.

O curso será direcionado para o aproveitamento quase que total dos alimentos utilizados e abordará temas relacionados à higiene, comida saudável, sustentabilidade e empreendedorismo. Na grade, também estão previstas aulas de padaria e confeitaria, cozinha fria, entre outras.

A multinacional conta com o apoio de parceiros estratégicos globais para realizar essa ação, uma união chamada de Feed the Planet Project, com o intuito de ajudar os participantes a saírem empregados após o curso. Entre eles estão AIESEC – responsável pelo engajamento com a comunidade; Fundação de Ação Social – FAS, que por meio dos Centros de Referência da Assistência Social selecionou os participantes para o curso; Sodexo On-site – provedora da higienização do ambiente e da logística dos alimentos, Instituto Stop Hunger – que ofereceu os insumos alimentares e a World Chefs– que desenvolveram o currículo do curso, capacitaram os treinadores e trabalharam no design da cozinha.

“Queremos empoderar essas pessoas e ajudar a fazer a diferença em seu futuro”, comenta Valmir Buscarioli, vice-presidente de Recursos Humanos da Electrolux para América Latina.

Chefs voluntários

As classes serão ministradas em uma cozinha com 11 chefs e professores de gastronomia voluntários de Curitiba:

Gabriela Vilar de Carvalho, chef proprietária do restaurante “Quintana”,
Manu Buffara, chef do restaurante “Manu”,
Debora Teixeira, sous-chef no restaurante “Manu”,
Otavio de Brito, professor universitário no curso de pós-graduação em Gastronomia na Universidade Positivo,
Delio Canabrava e Claudinei de Oliveria, proprietários e chefs executivos do restaurante “Cantina do Delio”, da pâtisserie “Banoffi” e outras lojas de comida,
Vania Maciel Krekniski, chef e proprietária do restaurante “Limoeiro”,
Renata Vidal, jornalista que criou o blog “Cozinha da Re” e prepara refeições para festas e eventos particulares
Rodrigo Machado, chef e sócio proprietário da “Prestinaria – Casa dos Pães,
Gabrielle Mahamud, criadora do projeto social “Good Truck”,
Rosane Radecki, chef e proprietária do restaurante “Girassol”, e
Pati Bianco, blogueira de comida saudável e criadora do blog “FruFruta”.

A perspectiva do projeto social é implantar mais três turmas até a metade de 2018, capacitando mais de 60 pessoas desempregadas ou em situação de vulnerabilidade na cidade de Curitiba. Outras regiões da América Latina também devem ser beneficiadas até o final de 2018. 


Fonte:: Redação