#OcupeOParque - “onde a cultura encontra a natureza e o público encontra o parque!”. Este é um dos principais motivadores que levaram à criação do Festival Circuito de Parques – Música, Bike & Meio Ambiente.

Festival "Circuito de Parques" traz para BH intensa programação cultural

01/09/2017

#OcupeOParque - “onde a cultura encontra a natureza e o público encontra o parque!”. Este é um dos principais motivadores que levaram à criação do Festival Circuito de Parques – Música, Bike & Meio Ambiente.

O projeto chega a sua terceira edição e já tem duas datas confirmadas para 2017: 10 de setembro e 08 de outubro. No domingo, 10 de setembro, o projeto traz intensa programação artística com duas atrações internacionais: a mexicana Zaira Franco e a orquestra folk chilena Ensamble Transatlántico. O evento será no Parque Marcos Mazzoni, no bairro Cidade Nova, a partir das 9h, com entrada gratuita.

O Festival "Circuito de Parques – Música, Bike & Meio Ambiente” é um evento Carbon Free, que usa o conceito de compensação de carbono, controlando para que as emissões de gás carbônico decorrentes dos eventos sejam equilibradas por meio do plantio de árvores nativas na Amazônia e na Serra da Cantareira. Além de incentivar o cuidado com o meio ambiente, o circuito traz uma intensa programação cultural.

Atividades infantis com mágicos, palhaços e oficinas circenses, oficinas de musicalização e literatura, contação de história, palestras, rodas de conversa e espetáculos musicais.

ATRAÇÕES

A cantora mexicana Zaira Franco traz as canções do seu primeiro disco “Tumbalá”, no qual combina os elementos que definem sua identidade: México, a música e a literatura com canções de sua autoria inspirada por grandes escritores como  Jaime Sabines e Octavio Paz. As canções reafirmam sua preocupação com o conteúdo e a qualidade. Além de definir sua liberdade, versatilidade e ecletismo.

A orquestra folk chilena Ensamble Transatlántico, com 21 integrantes, é um projeto criado em 2012 por Ernesto Calderón e Gianela Machuca, dedicado a interpretar composições originais baseadas em ritmos tradicionais como Huayno, a Cueca, Mapuche e Rapa Nui. O grupo já se apresentou em países como Escócia, Inglaterra, Bélgica, Espanha, República Checa, Alemanha, Dinamarca, Suécia, Estados Unidos e Índia.

A Companhia Primitiva de Arte Negra, fundada em 1989 pelo diretor e coreógrafo Mestre João Angoleiro, realiza espetáculos segundo os ensinamentos das tradições afro-brasileiras, interligando movimentos ancestrais com canto e percussão. Os rituais usados são tradicionais do afro brasileiro e africano, seguindo os ritmos Congo, Ijexá, Barravento e Guaguango.


Fonte:: Redação