Quem não é visto, não é lembrado. Seguindo essa máxima, muitas empresas destinam boa parte do orçamento para o investimento em marketing.

Especialistas apostam em Marketing Offline para 2018

07/12/2017

Quem não é visto, não é lembrado. Seguindo essa máxima, muitas empresas destinam boa parte do orçamento para o investimento em marketing. Para o próximo ano, além das estratégias digitais, experiências offline ganham espaço no setor de marketing das empresas de forma inovadora e fugindo das campanhas tradicionais.

A tendência é aproximar as pessoas das marcas por meio de ações não conectadas, como eventos e experiência do consumidor, e mensurar os resultados com a ajuda da tecnologia.

Nos últimos anos, o inbound marketing ficou com grande parcela dos recursos com a promessa de gerar interessados nos produtos/serviços das empresas e convertê-los a compradores por meio de conteúdos relevantes, porém, o marketing offline continua tendo relevância na hora de gerar leads.

Especialistas contam três apostas para o marketing no próximo ano que ajudam a aumentar o retorno do investimento nesta área e fidelizar clientes. Acompanhe:

1 - Marketing offline: como mensurar ações não conectadas

O setor de Turismo, Eventos e Hospedagens cresceu 4,3% no primeiro trimestre de 2017, de acordo com dados do Ministério do Turismo. A área de eventos foi a segunda mais promissora no período, com crescimento de 6,9%. Com o objetivo de aproximar fisicamente o público das empresas ou de engajar os colaboradores, os eventos corporativos são uma importante estratégia de marketing que, como demonstram os dados, se destaca na geração de renda para as organizações e é uma aposta para o próximo ano.

André Rodrigues, CEO da mobLee - que desenvolve tecnologias para eventos - , defende que mesmo em épocas de recessão, como as que passamos nos últimos anos, as empresas não deixaram de investir em espaços de encontro com o público .

"A  comprovação que as empresas estão cada vez mais gerando valor e network por meio de eventos está nos números de clientes que tivemos no último ano: cerca de 270. Com o crescimento de encontros atendidos, precisamos triplicar o número de colaboradores para suprir as demandas. E para o próximo ano prevemos um crescimento ainda maior a partir dessa tendência", ressalta André.

2 - Marketing de experiência: máquinas de autoatendimento personalizadas

Redução de custos, praticidade e maior exposição das marcas. Essas são algumas das razões que têm levado empresas a investir em máquinas de autoatendimento - ou sampling e vending machines - como estratégia de vendas para o mercado brasileiro. Tecnologias pioneiras para melhorar a rentabilidade das marcas e a experiência dos consumidores com os produtos vêm sendo desenvolvidas pela Machine Solutions, empresa paulista que cria soluções de autoatendimento com multicanalidade e integração do mundo on e offline, voltadas para o mercado varejista

A empresa já instalou mais de 300 máquinas em todo o país e vem colecionando cases de sucesso com empresas de renome do mercado. Segundo o CEO Ricardo Rosenberg, a procura pelas máquinas tem crescido bastante e aumentado o faturamento médio da empresa em 20% ao ano.

3 - Trade marketing: ações focadas no ponto de venda

Acompanhar o comportamento do consumidor em todos os estágios da compra é essencial para varejistas e indústrias, principalmente em um ambiente competitivo de vendas. Entre as ações necessárias no planejamento de marketing 360º está a estratégia para o ponto de venda, que interfere diretamente no posicionamento de marca e na decisão do cliente. Integrando estratégias, comando, conquistas e competências que promovem e criam valor para as marcas no PDV, o trade marketing tem papel fundamental no desempenho dos produtos em diversos mercados.

"Ter o controle da equipe no ponto de venda, saber se o produto está posicionado conforme foi idealizado e coletar informações de campo são alguns dos desafios de quem atua na área. Extremamente relevantes para o sucesso no ponto de venda, ações como essas contam hoje com a ajuda da tecnologia, que torna os processos de trade marketing mais efetivos e mensuráveis", destaca Rodrigo Lamin, CEO da Involves, empresa catarinense que desenvolve soluções para Trade Marketing.


Fonte:: Redação