Tá na Mesa

02/04/2019


Muito se fala que o mercado nos últimos anos está ruim, da diminuição de verba por parte dos clientes, dos processos de contratação, dos prazos, etc... Reclamação em todos os segmentos da comunicação é o que não falta.

Mas a pergunta chave é: Estamos ofertando o que o cliente realmente quer e precisa?

Me parece claro que uma revolução na comunicação está em curso e que o cliente espera outra postura, outros projetos e outras ideias dos seus parceiros.

Dessa forma não acredito em menos verba, em menos prazo, em crise, em processos ruins...

Tenho conversado com muitas agências de live, publicidade, veículos e clientes. O curioso é que todos falam sobre a mesma necessidade, recriar, reinventar ,querem novidade, novas ideias, novas formas, mais métricas e novos resultados

Acredito que o dinheiro ESTÁ NA MESA!!! Ideias realmente novas, experiências que se amplifiquem na redes sociais e cheguem ao ponto de venda, gerar negócio, vender e vender. Análises eficientes dessas métricas serão diferenciais para agências e clientes.

Como podemos de verdade criar ações integradas e que gerem resultado para os clientes?

Projetos eficientes tem verba, tem prazo e o processo é fácil. Ações isoladas, cada um na sua área não dão o resultado e o cliente não tem mais tempo!!.

A responsabilidade de criativos e planners é definir a solução correta para um determinado problema e não desenvolver as ideias para depois procurar soluções que se encaixam nelas.

Os dados (BI) fazem parte desse novo cenário criativo e sua interpretação não precisa necessariamente ser feita pela equipe fixa da agência.

A contratação de profissionais por projetos ganhou força no ano que passou. O que era uma prática para serviços mais simples, envolve agora profissionais com mais tempo de carreira, que estão se unindo para trabalhar por projetos e resolver temporariamente os desafios dos clientes.

Nesta linha, grandes agências têm contratado coletivos de profissionais experientes, para desenvolver projetos diferenciados e inovadores, que têm transformado o modo com as agências operam.

São pessoas da área criativa, de arte, planejamento e execução que se especializam em um determinado segmento, aproximam-se da agência para entender o briefing do trabalho, desenvolvem o projeto e apresentam suas ideias. Após a entrega, cada um retoma sua base de pesquisa, imersão, referência e inspiração.

O formato é conveniente para ambas as partes; para as agências que sentem dificuldade em manter profissionais bons e experientes de alto escalão na equipe fixa e para os  profissionais que não querem mais ir para a rotina das agências, fazer ‘jobs’ menores e mais burocráticos.

Aqui temos uma revolução paralela no modo de operação das agências que se dá pela crescente necessidade dos clientes em buscar a novidade com resultado e eficiência...

O grande desafio é que  o prato tem que estar pronto e bom para o cliente!

Tá na Mesa!!

 

Por Maurício Marques.

TAGs: artigo live-marketing mauricio-marques