“Muy loco”

27/05/2019


São quase três da manhã em Lima, capital do Peru. É a minha primeira noite neste país, em uma semaninha arrancada a forceps da rotina para umas pequenas férias.

artigo dil mota

Eu durmo pesado, com um cansaço acumulado misturado pelo voo das 5 da manhã, dá pra imaginar que eu nem havia dormido…

De repente sou acordado por minha esposa, que me alerta estar havendo um terremoto. Sim, você ouviu direito: um ter-re-mo-to. Eu acordo, completamente entorpecido, sinto claramente o movimento acontecendo - estava no 7º andar do hotel - e ele repentinamente me fez lembrar do embalo gostoso de uma criança para “ninar” - respondi então um sonoro OK e voltei a dormir. Simplesmente isso: eu ignorei um terremoto e voltei para os braços do Morfeu. 

Parece loucura tudo isso? Mas hoje em dia, só sendo louco para ser normal, porque o normal é ser um pouco louco… ou muito! Vivemos uma dinâmica maluca num mundo doido e rotinas ensandecidas.

Sentimos falta da alienação total e num momento insano – como esse do terremoto – podemos parecer um tanto pertubados, já que a reação beira o anormal, mas juro que não sou nenhum desequilibrado.

Ok, tudo isso parece papo de louco e nem sei se não seria melhor estarmos falando em como nos mantermos sãos e conscientes, pois enquanto você se esforça pra ser um sujeito normal e fazer tudo igual, eu do meu lado estou aprendendo a ser louco, um maluco total, na loucura real e controlando a minha maluquez, misturada com minha lucidez, eu vou ficar com certeza “maluco beleza”0.

De louco todo mundo tem um pouco e um dos mais famosos e geniais “loucos”, o inesquecível Raul Seixas não perdia a chance de filosofar sobre a loucura, deixando claro que “A arte de ser louco é jamais cometer a loucura de ser um sujeito normal” e com uma sinceridade insana ainda dizia que: “Eu não sou louco. É o mundo que não entende minha lucidez”.

A loucura é o sonho de uma única pessoa. A razão, é sem dúvida, a loucura de todos1. E todos nós nascemos loucos, mas alguns permanecem2. O louco é aquele cara que pensa que todos os outros também são loucos3.

Mas vocês sabem o que significa encontrar-se diante de um louco? É encontra-se diante de alguém que sacode os alicerces de tudo o que vocês construíram dentro de si, em torno de si, a lógica, a lógica de todas as suas construções4. E a sensatez não convém em todas as ocasiões; às vezes é necessário ser um pouco como os loucos5.

Assim que nascemos, choramos por nos vermos neste imenso palco de loucos6… Você disfarça, a vida toda você disfarça, para não parecer fraco, para não parecer louco e eu cansei dessa gente que me olha de canto de olho. Como se eu fosse louco por gostar assim da vida. Já depois que você descobre que qualquer um pode ficar louco, ficar louco até perde o charme7

Se me apetece rir de um louco, não preciso ir procurar muito longe, rio de mim mesmo8. Apesar da minha única diferença em relação a um homem louco ser justamente que eu não sou louco9. Não tenho medo de meu silêncio. Sou um louco, mas guiado dentro de mim por uma espécie de grande sábio10 e escrever é não esconder a nossa loucura11

Quando um louco parece completamente lúcido é o momento de colocar-lhe a camisa de força12 e se a sua loucura parece um pouco com a minha, qual é a sua estrada? A estrada do místico, a estrada do louco, a estrado do arco-íris, a estrada dos peixes, qualquer estrada…  sempre uma estrada em qualquer lugar, para qualquer pessoa, em qualquer circunstância. Como, onde e por quê13

A loucura nos tira da monótona realidade e é loucura jogar fora todas as chances de ser feliz porque uma tentativa não deu certo.14 Para obter êxito no mundo, temos de parecermos loucos, mas sermos também espertos, já que para ter sucesso neste mundo é preciso ser louco ou ser sábio15

A lucidez me leva às raias da loucura16 e preferi sempre a loucura das paixões à sabedoria da indiferença17. As coisas mais belas são ditadas pela loucura e escritas pela razão18 e o limite extremo da sensatez é o que o público batiza de loucura19

Errado aquele que acredita que uma dose de loucura faz mal. A total sanidade sim, faz mal ao ser humano. É desta dose de loucura que nascem as melhores ideias, perguntas e respostas e é ao redor dela que o mundo gira20.

Só o medo da loucura nos levará a ultrapassar as fronteiras invioláveis da nossa solidão, já que é na loucura que transformamos momentos mornos em quentes ou frios20.

Ser normal é mala, um pouco de loucura até é divertido20 e meus melhores amigos são os mais loucos e é exatamente por isso que são os melhores.20 Eu gosto de andar com gente parecida comigo, por isso que só tenho amigos loucos20.

Aqueles que em loucura partem em busca do impossível, nunca se dão por vencidos e são felizes porque não param de tentar, chamam de loucos aos que tentam criar um mundo melhor, mas loucura é nada fazer para os ajudar20.

A genialidade é uma variedade da loucura21 e se há uma fina linha entre a genialidade e a loucura, eu apaguei essa linha22. A mais sutil loucura é feita da mais sutil sensatez,23 mas outros ainda dirão que a loucura é vizinha da mesma cruel sensatez e eu engulo a loucura porque ela me alucina calmamente10

Só o louco tem asas para viajar por lugares nunca antes visitados20 e se a imperfeição é bela, a loucura é genial e é melhor ser absolutamente ridículo do que absolutamente chato24. Prefiro a loucura do que ser igual a todo mundo, pois no meio de muitos só se destacam os diferentes20 e realmente não é o medo da loucura que nos forçará a largar a bandeira da imaginação,25 então sorria sem motivos, pois um pouco de loucura sempre ajuda a passar os dias20 e o riso é a trombeta da loucura26

A ação é uma loucura passageira27 e não há louco que não seja lúcido e nem lúcido que não seja louco28. Para mim, há uma loucura racional aceita pela sociedade e uma loucura irracional condenada por ela28.

Se o doido persistisse na sua loucura, tornar-se-ia sensato,29 já que o amor é a única loucura de um sábio e a única sabedoria de um tolo6 e pensar contra a corrente de seu tempo é heróico, mas dizê-lo é uma loucura30

A psicologia nunca poderá dizer a verdade sobre a loucura, pois é a loucura que detém a verdade da psicologia31 eu sou louco porque vivo em um mundo que não merece minha lucidez32, já que loucos são os que rasgam dinheiro, comem cocô e acreditam que vão ganhar dinheiro com poesia33.

E falando em poesia, seu Fernando Pessoa disse que: “Sem a loucura que é o homem. Mais que a besta sadia. Cadável adiado que procria?”, quem sou eu para desconfiar de tantos gênios que escreveram estas frases deste texto que você acabou de ler e que poderá identificá-los na lista logo mais abaixo. 

Foi costurando essas frases e identificando sua autoria por intermédio da minha pesquisa, que eu até me preocupei se a internet não poderia estar dando crédito erroneamente para uma pessoa, associando uma frase a quem não a escreveu, mas desisti da ideia, eu achei que isso seria loucura (rs). Quem faria uma doidice dessas? 

E se você estiver perguntando se montar (e escrever) essa coluna não teria sido uma loucura, eu concordo. Só louco, amou como eu amei, só louco quis o bem que eu quis34, mas eu só não quis ser “um sujeito normal e fazer tudo igual”, pois louco é quem me diz e não é feliz e eu juro que é melhor não ser normal.

Sim, sou muito louco, não vou me curar, mas já não sou o único que encontrou a paz35 e isso sim é muy loco!

0Música “Maluco Beleza” de Claudio Roberto Andrade de Azevedo e Rau Seixas

1André Suarés

2Samuel Beckett

3Provérbio Judaico

4Luigi Pirandello

5Menandro

6William Shakespeare

7Tati Bernardi

8Sêneca

9Salvador Dali

10Clarice Lispector

11Arnaldo Jabor

12Edgar Allan Poe

13Jack Kerouac

14 Antoine de Saint-Exupéry - “O Pequeno Príncipe”

15Barão de Montesquieu

16Elis Regina

17Anatole France

18André Gide

19Jean Cocteau

20Autor desconhecido

21Carlo Dossi

22Oscar Levant

23Michael de Montaigne

24Marilyn Monroe

25André Breton

26Axel Oxenstiern

27Paul Valéry

28Augusto Cury

29William Blake

30Eugéne Ionesco

31Michel Foucault

32Bob Marley

33Carlos Nepomuceno

34Música “Só louco” de Nana Caymmi e Wagner Tiso

35Música “Balada do Louco” de Arnaldo Baptista e Rita Lee.

 

Por Dil Mota.

TAGs: artigo dil-mota