Igualdade é respeito. E respeito é bom e eu...

27/11/2018


O que me faz escrever é o desafio que as palavras, os textos que leio e o que vejo por aí no mercado e na vida.

O texto de Dilma Campos, nesse final de semana me inspirou.

Quando Dilma, uma defensora de causas ultrarelevantes questiona o número de negros no mercado de Comunicação me aguça.

Aí, hoje, vejo na exame que a desigualdade de salários entre homens e mulheres voltou a subir depois de 15 anos...

Divulgado nesta segunda-feira (26/11), o relatório da Oxfam Brasil também mostra que houve, pela primeira vez em 23 anos, retrocesso quando comparada a renda de mulheres em relação a de homens. Dados do IBGE mostram que mulheres ganhavam cerca de 72% do que homens recebiam em 2016. O número caiu para 70% na comparação com os dados de 2017.”

Para piorar...

“Outro dado preocupante do relatório se refere à renda média da população negra do Brasil. O documento aponta que esse indicador ficou estagnado nos últimos sete anos. Os negros passaram a ganhar ainda menos na comparação com os brancos entre 2016 e 2017. Em 2017, os rendimentos médios de negros foram de R$ 1.545,30, enquanto os dos brancos alcançaram R$ 2.924,31, uma razão de 53% — a comparação no ano passado mostrava razão de 57%.

Nós aqui brigando por igualdade e diversidade, comemorando conquistas e parece que deu a louca no mundo.

Nem vou falar dos PcD, termo que hoje substitui os termos portador de deficiência, Portadpr de necessidades especiais (PNE) ou pessoa portadora de deficência (PPD). Eles são ignorados e são raras as empresas que têm uma política decente em relação a eles. Pena.

Num País que quer crescer, as desigualldades, especialmente as que retornam depois de amenizadas, dá sinal triste de pequenez humana, falta de respeito e humanidade.

Nem vou me estender porque poderia falar besteira. Então, para concluir meu texto, avoco provérbio chinês que, rogo, humanamente provoque reflexão:

“Se você quer ser feliz por uma hora, tire uma soneca; por um dia, vá pescar; por um mês, case-se; por um ano, herde uma fortuna; pela vida inteira, ajude os outros.”

Acrescento Ajude e respeite.