Disruptei pra inovar e...

30/10/2018


Tá ficando piegas essa história de inovar.

Inovar tá mais ou menos no mesmo plano do “fora da caixa”.

Ou é o “disruptivo” da quebra de paradigma do modus operandi.

Entendeu? Não? Nem eu.

Ihhhh, mas você não vai poder ganhar letrinha no nome da função nem participar de reuniões com steakholders se não entender.

Tem gente falando de inovação e não entende que esse conceito é variado.

A ABGI - Associação Brasileira de Gestão de Inovação considera que inovação é a exploração de novas ideias com sucesso.

E sucesso para as empresas significa, por exemplo, aumento de faturamento, acesso a novos mercados, aumento das margens de lucro, entre outros benefícios.

Dentre as várias possibilidades de inovar, aquelas que se referem a inovações de produto ou de processo são conhecidas como inovações tecnológicas.

Outros tipos de inovações podem se relacionar a novos mercados, novos modelos de negócio, novos processos e métodos organizacionais, ou até mesmo, novas fontes de suprimentos. Há muito tempo detesto ouvir falar em inovação, me sinto velho.

Mas, devo dizer que quem perdeu muito, ontem, para entender o que quero dizer aqui, foi quem perdeu o Live Festival e a entrega da Premiação do Globes.

Perdeu excelente oportunidade de ouvir falar sobre o assunto de maneira sensata e adequada não apenas na mesa que contou com Andrea Bisker, Gustavo Giglio, Lara Mascarenhas, Leandro Valentim e Paulo Rogerio, mediados por Caio Tulio Costa, no "Painel Comportamento e Tendência", com destaque, para mim, para Lara da Viacom, sempre assertiva. Mas também perdeu pelo inovador formato que uniu o Live Festival e o Globes.

Foi inovador e disruptivo.

Aliás, disruptivo é um termo que vem do inglês, do substantivo disruption, que tem a ver com problema inesperado ou algo que interrompe uma ação.

O termo é ou devia ser utilizado para indicar a ruptura de algo com certa brutalidade. 

Hummmm!

Ah, também foi dia do aniversário da Elza Tsumori.

Disruptei.

Pediu pra parar, Parou! Inovei.

Fonte: Tony Coelho

TAGs: Artigo|Opinião|Ensaio