Torrent apoia a campanha Purple Day

25/03/2019


A empresa será uma das patrocinadoras da caminhada na Avenida Paulista em São Paulo, no dia 31 de março, último domingo do mês.

O evento faz parte das ações do Purple Day (Dia Roxo), oficialmente celebrado no dia 26 de março, num esforço internacional de conscientização sobre a epilepsia, e, nesta edição, vai contar com o patrocínio da Torrent Brasil.

Leia também: Paris Filmes fecha parceria com o Instituto Pela Vida.

Com previsão de 2 horas de duração, a caminhada começará no Parque Mário Covas a partir das 9 horas e percorrerá toda a avenida.

Aberta a todos que quiserem participar, se possível, usando camisetas e acessórios na cor roxa, a caminhada é organizada pelo projeto Viva com Epilepsia, e seu objetivo é proporcionar interação entre pacientes, familiares e conhecidos de quem convive com esta condição de saúde.

Durante o caminho, a organização distribuirá água, balões de gás e material informativo no intuito de levar as informações necessárias para que a epilepsia saia das sombras e acabe com o estigma e preconceito que carrega.

Dirigido pelo matemático Eduardo Caminada Junior, de 47 anos, que tem epilepsia desde os 3 anos e embaixador do Purple Day no País, onde mantém o site, o projeto visa desmistificar a epilepsia e promover seus tratamentos no Brasil e no mundo, por meio de eventos, cursos e palestras, envolvendo profissionais da educação, da saúde, familiares e estudantes de escolas públicas e privadas em todo o País.

“Nossas palestras tratam das questões abordadas no meu livro “Viva com Epilepsia”, e mostram como viver com o problema sem estar desligado da vida na maneira mais literal da palavra, além de temas relacionados à causa.”, afirma Eduardo.

O Purple Day foi fundado em 2008 por uma garota canadense de 9 anos, Cassidy Megan, motivada por sua própria luta contra a epilepsia e os preconceitos contra os pacientes. Cassidy escolheu a cor roxa para representar a epilepsia por causa da flor de lavanda, frequentemente associada à solidão e que representa a sensação de isolamento que muitas pessoas têm com a doença.

A ideia é mostrar que elas não estão sozinhas.

Fonte: Redação.

TAGs: