Convocação

28/01/2019


Lama.

Barro.

Sujeira.

Morte.

Não faria sentido estar aqui discutindo o mercado, nossas costumeiras questões e buscar inspiração em sermos melhores pessoas e profissionais, se a gente também não flexibiliza a pauta para uma discussão muito, muito séria.

A gente não pode ficar fechado na nossa bolha e no nosso mundinho, vendo o que aconteceu em Brumadinho sem fazer nada.

Afinal, trabalhamos em um mercado que se chama LIVE marketing. E quando existe uma necessidade como essa, precisamos nos unir para fazer com que a vida ainda seja o nosso melhor negócio, o nosso maior evento e o nosso melhor espetáculo.

Você aí que é um inspirado criativo, um planejador craque em estratégia, um empresário de muito sucesso, um produtor experiente e de muitos recursos, um cenógrafo espetacular e um atendimento especialíssimo.

Você que é um cliente brilhante, com um produto de muito sucesso e de uma empresa que admiramos. Você que é um parceiro ou fornecedor profissionalíssimo e de um qualidade reconhecida em todo o mercado.

Você de todas as associações que fazem parte do nosso mercado, de todas as revistas e jornais, dos hubs e portais, entidades, profissionais, enfim... todos vocês, todos nós fazemos parte de um mercado onde aprendemos a trabalhar com os sentidos, as sensações e as experiências. Nossa maior matéria-prima são pessoas! Tá aqui uma boa oportunidade para fazemos algo em prol delas.

Ajudem a responder esta pergunta: o que nós podemos fazer então por essas pessoas de Brumadinho?

Não cabe aqui a mínima abertura para questionar porquês, culpas ou culpados.

Vamos falar das vítimas, dos estragos da região, dos traumas pessoais e de o quanto aquele lugar tão bonito de Minas Gerais, próximo de um dos museus mais incríveis que existe no Brasil: Inhotim, está sofrendo.

Doar alimentos, roupas, água, remédios ou qualquer outro item material, é o mais fácil. Vamos fazer então isso em sua agência, em sua empresa, em seu escritório ou com sua equipe? Existem vários lugares recolhendo as doações.

Mas, mais do que isso: O que o nosso negócio, o que uma área que se chama LIVE MKT poderia fazer para ajudar?

A gente faz coisas incríveis, monta estruturas onde não havia nada, lidera processos primando por segurança total, cria do nada, planeja a partir do pouco e consegue fazer com que as pessoas possam ser tocadas, inspiradas e direcionadas para aquilo que queremos.

Vamos então pensar em algo que possa ajudar estas pessoas a se inspirar? Algo que possam as animar, voltar a acreditar, ter força para perserverar, energia para se unirem, para homenagearem os que se forem, e para buscar dentro deles mesmo o brilho vital que faz com que as coisas possam seguir, afinal - como sempre dizemos - o show (e a vida) não pode parar. Mesmo quando muitas não tiveram como prosseguir.

Que tal abandonarmos por instantes as concorrências, as rivalidades de mercado, a correria de todos os jobs e podermos nos reunir ainda que brevemente para discutirmos o que um mercado que tem LIVE no nome pode fazer? Como se unir? Como aproveitar o incrível potencial que temos, as pessoas absolutamente fantásticas que possuímos para pensar em algo e não nos contentarmos simplesmente em assistir à tudo de longe.

Vamos criar uma promoção diferenciada visando recursos para as vítimas?

Disponibilizar nossas estruturas para pensar em soluções?

Criar campanhas que divulguem as necessidades mais urgentes?

Produzir um evento ou show com verba totalmente destinada aos atingidos?

Vamos produzir mensagens positivas nas redes sociais para incentivar e inspirar os moradores, outras pessoas e todos aqueles que não sabem como ajudar?

Se nos vemos dentro de um mundo tão diverso, precisamos conjugar dentro da gente os verbos que façam da diversidade um elemento de convergência para as causas que realmente merecem foco e energia.

Com tudo o que está acontecendo podemos ter a grande chance de unir clientes, agências concorrentes e fazer algo inédito e inesquecível: usar nossa força motriz, de um mercado de um sucesso e uma qualidade inquestionáveis e poder fazer algo por pessoas, pela sociedade ou se preferirem: por nós mesmos.

 

Por Dil Mota.