Os novos caminhos do IAA 2019

16/10/2019


Foram 5 dias muito intensos. Muitas andanças e muitos vídeos, fotos e carros. Mas o principal Salão do Automóvel da Europa não é só carro.

Aliás, desde 2013, o evento fala mais de mobilidade e suas diferentes formas, conveniência, métodos para combater a poluição, eletromobilismo, autônomos. Mas claro, tudo isso para ter um jeito novo para falar de... carros.

Confira as principais feiras de negócios aqui.

Leia também: MeliXP tem criação e realização a cargo da Agência People.

Com o tema ON. Driving Tomorrow, o IAA 2019 vem pra mostrar como o futuro está próximo e quais as soluções de mobilidade e transporte para uma indústria em constante, e galopante, transformação.

Novidades? Sempre tem, mas esse ano vimos um evento muito menor, com menos montadoras tradicionais, mas com grandes surpresas que mostram claramente as novas direções que o mercado vem tomando.

Meios de transportes, redes sociais, aplicativos de transporte, marcas chinesas e nomes conhecidos em diferentes atuações – a Bosch e a Continental se destacaram com seus carros autônomos, seus sistemas de carregamento de energia super-rápidos e navegação inteligente – agora compõem os expositores e mostram a nova cara do evento. E do mundo.

Mas as tradicionais montadoras que ficaram apostaram muito em seus estandes, ativações e demonstrações de veículos. A Mercedes Benz é sempre um destaque. Com seu prédio próprio dentro do Frankfurt Messe e seus imponentes 5 andares de exposição, surpreendeu mais uma vez. Dessa vez sem shows pirotécnicos, mas com ativações de cair o queixo, um verdadeiro parque de diversões pra quem gosta de carro.

E um parque de diversões é feito por diversas atrações. E além da MB, os estandes da feira eram verdadeiros brinquedões repletos de ativações.

Destaque para Mini com suas ativações descoladas que faziam música colaborativa, photo-opps e a exposição de modelos clássicos da marca. A BMW e Audi apostaram no caminho digital com filtros de Instagram e realidade aumentada superdivertidos e a Skoda, que sempre surpreende em seu estande repleto de atividades e interações tecnológicas, não fez diferente esse ano.

Aliás, a marca estava presente em toda a cidade, do aeroporto, passando pela estação de trem e mobiliários urbanos por todos os lados.

A Ford inovou e criou um estande metade in e metade outdoor. Uma atividade inusitada fazia o efeito de velocidade do novo motor elétrico da marca que não fica devendo nada, em desempenho, para o modelo a combustão.

A Opel aposta no relançamento do Corsa, que nada tem a ver com o nosso brasileiro, e agora chega no modelo “e” e mostra por meio de interações os principais diferenciais do novo modelo.

E a VW explorou sua linha sustentável ID, que trouxe a tradicional Kombi, agora elétrica, e o novo ID.3, aposta da marca para popularizar os elétricos, que foi tema principal do estande. Vimos uma VW muito mais colorida, e, realmente, de cara nova.

Por falar em cara nova, o estande da Honda também surpreendeu, usou menos o vermelho – ou quase não usou, sendo uma grande surpresa para quem atende a marca – e trouxe o foco no seu elétrico, concept em 2015, que entra no mercado agora em 2020.

Era ativação que não acabava mais. E esse ano, todas as marcas tinham um foco bem claro: o futuro consumidor, as crianças. VW, Porsche, BMW, Skoda, Ford, Hyundai, Mercedes Benz, Land Rover, entre outras abriram ainda mais espaço para atrair e criar brand lovers, uma estratégia frequente no IAA, mas que esse ano se mostrou ainda mais presente nos estandes das montadoras.

Pintura, desenho, carrinhos Lego, autoramas, pistas de pilotagem com regras de trânsito e pebolins tomaram conta dos estandes e entretinham a molecada enquanto seus pais babavam nos brinquedos de gente grande, os carros. Nas lojinhas dos estandes também se via uma infinidade de itens para crianças. O esforço de conquista está cada vez maior.

Novos espaços também começam a ganhar destaque. Sempre, desde que conheço o evento, existe uma pista coletiva de test-drive de carros off-road e um pavilhão inteiro para os on-road, mas esse ano um outro espaço apareceu: uma pista exclusiva, e coletiva também, para tests-drives de carros elétricos, se tornando também espaço de exposição de marca, mesmo não estando em um estande num dos pavilhões.

Era um dos espaços mais movimentados. Quando anoitecia, a pista se transformava com muitos LEDs piscantes e um percurso totalmente iluminado e “tecnológico”.

Um evento importante como o IAA também é foco de ONGs e instituições que protestam contra a geração de poluentes e esse ano o foco foram os SUVs, carros que estão cada vez mais em destaque, mas que são grandes emissores de poluição.

Os manifestantes do Greenpeace foram ousados, invadiram a coletiva de imprensa de grandes marcas, durante o discurso da chanceler alemã Angela Merkel, subiram nos carros e posicionaram seus cartazes em frente às câmeras.

Além de invadirem a feira, promoveram muitos eventos pela cidade: passeadas, fechamento de rodovias com bicicletas, instalações pela cidade, pichações em frente ao Messe.

Sim, o IAA, há bastante tempo, não é um evento só de carro. É um evento em constante movimento.

E todo esse movimento me faz lembrar da frase de um importante presidente de uma das principais montadoras do Brasil: “No futuro, as pessoas vão comprar quilômetros e não carros”. E eu ainda complemento: “Dirigir, em pouco tempo, será proibido”.

Sim, viveremos na Era dos carros seguros, compartilháveis e autônomos. Vivemos na Era da reinvenção de nós mesmos, de nossos conceitos, de nossas ideias.

E que venha o futuro.

Paulo Prado.

 

Fonte: Paulo Prado.

TAGs: feira-de-negócios iaa live-marketing people salão-do-automóvel