Machismo ainda impera no mundo dos e-Sports

11/03/2019


O preconceito de gênero dentro ganhou destaque na comunidade após um recente caso de machismo contra o time da Vaevictis eSports, formado só por mulheres, no League of Legends (LoL).

Mesmo depois da Riot Games Russia advertir os agressores do caso, a proteção de jogadoras que participam de eventos de jogos eletrônicos competitivos segue como uma dúvida.

O melhor do marketing esportivo está aqui.

Leia também: ONU Mulheres declara apoio à #MyGameMyName.

Fóruns de games famosos, como LoL e Counter-Strike: Global Offensive (CS:GO), também contam com milhares de relatos de meninas que sofrem preconceitos de gênero em partidas.

A Riot Games, Blizzard, Ubisoft e ESL também explicaram em notas oficiais como lidam com esse comportamento e quais punições preveem para players com atitudes machistas.

A Team oNe conta com um time exclusivamente feminino de CS:GO que quebra o paradigma de um mundo de homens nos e-sports.

Apesar de estarem hoje em nível profissional, a equipe alega que a trajetória foi difícil. "O medo começou quando percebi que esse mundo dos e-sports era predominantemente masculino e ainda havia muito preconceito estampado nesse meio. Eu sabia que seria difícil, e que teria que dar o dobro de mim para ultrapassar algumas barreiras. E senti muito isso ao longo dos anos em que me dediquei para chegar ao cenário profissional, sofri com alguns preconceitos ali e aqui, simplesmente por ser mulher.", conta Diana "Mittens" Caudeic Trevisan, trader do time.

Julia "Julih" Gomes Ferreira, suporte da Team oNe, relembra que ao jogar uma partida rankeada no Dia Internacional da Mulher em 2018, foi insultada por um dos seus companheiros, sendo agredida com palavras ofensivas e machistas.

A jogadora tentou reportar o incidente para a Valve de diversas formas, mas, segundo ela, o jogador nunca foi punido pelo ato.

Entenda as regras das ligas e desenvolvedoras

A Riot diz que tem um regulamento específico para cada liga de LoL do mundo. As regras do Campeonato Brasileiro de League of Legends (CBLoL) proíbem ofensas e discursos de ódio, assédio sexual, discriminação e difamação.

“Membros das equipes não podem ofender a dignidade ou integridade de um país, pessoa ou um grupo de pessoas por meio de palavras ou atos de desprezo ou ações de raça, cor de pele, etnia, nação, origem social, gênero, língua, religião, opinião política ou qualquer outra opinião, status financeiro, idade ou qualquer outro status de orientação sexual.”, diz o documento oficial do torneio.

Se algum jogador quebrar o regulamento do campeonato ou do Código dos Invocadores em sua conta pessoal, o player pode ser punido.

As penalidades vão desde advertência verbal, até desclassificação de eventos futuros ou banimento do cenário competitivo de League of Legends.

 

Fonte: Redação.

TAGs: