YouTube Kids se posiciona sobre "Desafio Momo"

19/03/2019


Segundo a empresa, a segurança do aplicativo para crianças não “deixaria passar” um conteúdo com violência explícita, como é o caso do vídeo que viralizou nas redes sociais e nos grupos de mães.

Após a ampla repercussão da reportagem sobre o vídeo em que a personagem Momo teria sido vista no YouTube Kids ensinando crianças a se suicidarem, como relatou a mãe entrevistada pela revista Crescer, a discussão sobre a segurança do conteúdo acessado pelas crianças na internet voltou aos grupos de mães e pais.

Confira as últimas novidades sobre marketing digital aqui.

Centenas de leitores relatam que seus filhos também tiveram acesso aos vídeos assustadores, que teriam aparecido no meio de conteúdos inocentes do aplicativo.

Empresa garante que aplicativos infantis do YouTube Kids são seguros (Foto: ThinkStock).

A plataforma se propõe a filtrar conteúdos seguros para o público infantil, mas a assessoria da empresa informou que não há nenhuma evidência recente de aparição da "boneca-monstro". Veja a resposta na íntegra:

"Ao contrário dos relatos apresentados, não recebemos nenhuma evidência recente de vídeos mostrando ou promovendo o desafio Momo no YouTube Kids. Conteúdo desse tipo violaria nossas políticas e seria removido imediatamente. Também oferecemos a todos os usuários formas de denunciar conteúdo, tanto no YouTube Kids como no YouTube.

O uso da plataforma por menores de 13 anos deve sempre ser feito pelo YouTube Kids e com supervisão dos pais ou responsáveis. É possível que a figura chamada de "Momo" apareça em vídeos no YouTube, mas somente naqueles que ofereçam um contexto sobre o ocorrido e estejam de acordo com nossas políticas."

Na segunda-feira (18), Crescer conversou por telefone com Cauã Taborda, gerente de comunicação do YouTube na América Latina, para entender o que a empresa tem a dizer aos pais sobre o assunto.

O porta-voz garante que os filtros que se aplicam ao YouTube Kids jamais deixariam passar um conteúdo desse tipo, mesmo que “entrasse” de maneira aleatória no vídeo.

Personagem Momo.

“Além da análise automática, que existe também no YouTube convencional, no YouTube Kids, contamos com a curadoria humana feita por mais de 10 mil pessoas. Elas, basicamente, pegam o conteúdo que está disponível no YouTube e filtram os conteúdos infantis, certificando-se que, de fato, são adequados para esse público. Só então aquele conteúdo fica disponível para o Kids.”, diz. A plataforma é direcionada para crianças de até 13 anos.

O gerente de comunicação também afirma que o conteúdo do YouTube Kids não é passível de ser burlado ou hackeado: “Para que um hacker ou qualquer pessoa mal intencionada possa fazer uma alteração grave dessas nos vídeos já existentes, seria necessário que ela retirasse o vídeo do ar e fizesse novamente o upload no aplicativo. Mas ainda assim ele seria barrado.”, garante.

No site do YouTube Kids, consta o seguinte aviso: “Utilizamos uma mistura de filtros e comentários de utilizadores, além de revisores humanos, para que os vídeos no YouTube Kids sejam adequados a toda a família. Porém, nenhum sistema é perfeito e pode deixar passar vídeos impróprios."

Questionado se o vídeo do Momo não poderia ter passado pelo sistema, porém, o porta-voz garante que não. “Esse conteúdo impróprio a que se refere o site diz respeito à linguagem imprópria, tipo de conteúdo que coloca determinado desenho numa outra situação, que não é a habitual dele, ou qualquer outra coisa mais branda, sutil. Nada comparado à imagem explícita e assustadora da Momo.”, diz.

Para compartilhar esse conteúdo, por favor utilize o link https://www.otempo.com.br/interessa/momo-aparece-em-v%C3%ADdeos-no-youtube-kids-e-ensina-crian%C3%A7as-a-se-matarem-1.2150953 ou as ferramentas oferecidas na página.

Para compartilhar esse conteúdo, por favor utilize o link https://www.otempo.com.br/interessa/momo-aparece-em-v%C3%ADdeos-no-youtube-kids-e-ensina-crian%C3%A7as-a-se-matarem-1.2150953 ou as ferramentas oferecidas na página.

Fonte: Redação/Com informações da Revista Crescer.

TAGs: