Mercado de estética ganha um reforço com a SteticMob

17/03/2019


Estima-se que no Brasil cerca de um milhão de profissionais estejam atuando no ramo estético.

Acaba de checar ao mercado brasileiro a SteticMob, uma plataforma 100% on-line e responsiva, pensada para unir em um só lugar clínicas de estética, profissionais autônomos, fornecedores e fabricantes que querem aperfeiçoar o modo como administram e fazem negócios para maximizar seus lucros.

Confira as últimas novidades sobre marketing digital aqui.

Segundo Luciano Mendonça Piacenti, sócio-fundador da SteticMob, a plataforma começou a ser pensada há três anos, mas chega ao mercado só em 2019 porque ao longo desse período passou por uma série de melhoramentos para que se tornasse o que há de mais moderno em plataforma de gestão de negócios para os profissionais que atuam no setor de beleza e estética no país.

Piacenti afirma dizer que a Steticmob é uma poderosa plataforma de gestão, vendas, relacionamento e inteligência de mercado voltada para o ramo estético no Brasil, e o profissional autônomo que hoje atua neste segmento, como cabeleireiro, manicure, massagista, designer de sobrancelha, esteticista, fisioterapeuta, assim como as clínicas ou franquias de beleza e estética têm muito a ganhar ao utilizá-la.

Para os profissionais autônomos ou mesmo as clínicas de estética não há custos. Ou seja, é totalmente gratuita.

Para ter acesso, basta entrar no site, fazer um cadastro e seguir o passo a passo. Tudo de forma simples e rápida. Já para os fornecedores, a plataforma permite criar e gerenciar suas clínicas. E para os fabricantes, é ideal para colher informações sobre o mercado, por meio de seu Big Data. Para estes outros dois públicos, há a necessidade de investimento.

De acordo com Piacenti estima-se que no Brasil cerca de um milhão de profissionais estejam atuando no ramo estético, atualmente. Com este potencial, o objetivo da SteticMob é alcançar pelo menos 400 mil destes profissionais. Feito que deve ser alcançado em breve, já que em apenas dois meses de implantação da fase de testes, no final de 2018, a plataforma alcançou 30% do público-alvo que havia sido projetado. O que deixou o empresário e seus sócios bem animados.

Piacenti, que é engenheiro e tem quase duas décadas de atuação no mercado de estética, conta que decidiu entrar neste segmento após muita pesquisa, estudos e uma imersão no Vale do Silício, nos Estados Unidos, onde pôde compreender como a tecnologia pode revolucionar o mercado de estética no país, área que, em sua opinião, tem muito o que avançar ainda nesse sentido.

“Não se trata apenas de uma ferramenta tecnológica, mas de uma solução ampla, que tem como fundamento a inclusão de toda cadeia produtiva da estética no Brasil, encurtando caminhos, facilitando relações, divulgando conhecimento e prestando serviço de qualidade, com informações confiáveis para o setor”, ressalta o empresário.

Como funciona

Disponível apenas no ambiente web, a SteticMob é segura para os seus usuários porque suas senhas são criptografas. Tem layout responsivo e por isso pode ser usada com facilidade em qualquer plataforma móvel.

A ferramenta permite o agendamento gratuito de clientes. Logo, mantém o cadastro sempre atualizado, desburocratizando o uso do papel e arquivos físicos, e eliminando custos. Permite ainda o controle financeiro com fluxo de caixa, gestão de estoque e de compras e vendas; assim como seguir o protocolo de multimarcas.

Oferece históricos de atendimento com anamneses e integração com apps como Spotify e WhatsApp. Com essas funcionalidades, foi desenvolvida para atender a todo o setor.

Próximas etapas do negócio

A plataforma deve oferecer ainda este ano cursos por meio de Ensino à Distância – EAD, custando pelo menos um terço do preço de um presencial.

Os mesmos serão ministrados por profissionais renomados do mercado. A intenção é contribuir para que os profissionais tenham constante atualização dos procedimentos e protocolos estéticos, com preços acessíveis e com qualidade.

Mais informações sobre a SteticMob podem ser acessadas aqui.

Fonte: Redação.

TAGs: