Canal
Geral

<!--:pt-->Tendências do mercado consumidor em 2010<!--:-->

Por: 0 2 de Dezembro de 2009

A agência de tendências Trendwatching acaba de soltar sua lista com as dez tendências que prometem movimentar o mercado consumidor em 2010. Para começar, já avisa: será outro ano interessante.

mercado-consumidor

1 - Negócios nada convencionais Esqueça a recessão: as mudanças que dominarão 2010 se iniciaram bem antes da crise. Pela primeira vez há um sentimento de urgência em relação ao tema sustentabilidade. Como isso irá impactar os negócios e o consumidor? Nas sociedades maduras, as empresas precisarão fazer mais do que abraçar causas. Para realmente prosperar precisarão "se mover com a sociedade", serem mais transparentes e preparadas para a conversa - aqui a comunicação foge da propaganda de uma via. Há troca. 2 - Urbanismo Menos de 5% das pessoas moravam em cidades no século passado. Em 2008, pela primeira vez, essa proporção ultrapassou 50%. Calcula-se que até 2050, 6.4 bilhões de pessoas viverão em cidades. Onde isso vai nos levar? A um maior número de consumidores sofisticados, exigentes, antenados e dispostos a experimentar. Graças à proximidade e transparência do meio on-line, os consumidores de fora das cidades acabam sendo influenciados pelos cosmopolitas, passando a incorporar este tipo de comportamento. 3 - Críticas em tempo real As pessoas se acostumaram a dividir com outras o que andam fazendo, comprando, ouvindo, vendo, usando... E cada vez mais surgem mecanismos para tornar essa troca mais rápida e interessante. O resultado é, segundo a agência, a criação de um "cérebro global" que registra tudo em tempo real. 4 - Luxo é fluxo O significado de luxo nunca foi tão elástico - ele pode ser e representar coisas diferentes dependendo do nicho. Mas algo nele é único: ele permanece em fluxo, em movimento. O luxo é tudo aquilo que você quer que ele seja, observa Trenwatching. 5 - A massa se mistura Uma quantidade surreal de pessoas viverão grande parte de suas vidas on-line em 2010. E essas mesmas pessoas irão se misturar, se conhecer e festejar muito mais de forma off-line. De fato, as redes sociais e as comunicações móveis estão potencializando uma mistura em massa de pessoas no mundo físico, o que joga por terra qualquer clichê de que a internet tenha separado as pessoas. 6 - Está mais fácil ser "eco" O número de oportunidades "verdes" estão por toda parte. As boas intenções também. Enquanto empresas, governos e sociedade fazem a sua parte, processos que antes eram raros vão se proliferando - numa infinidade de ações de prédios verdes a embalagens recicladas. É preciso fazer o certo. 7 - Rastreando e alertando Rastrear e alertar é o novo "pesquisar", já que economiza tempo e dá ao consumidor um outro nível de controle. Pense na quantidade de coisas que hoje o consumidor consegue rastrear - de encomendas e compras na web a amigos. 8 - A generosidade está embutida Incorpora todas as iniciativas que fazem com que dar e doar não "doam nada", é quase um ato automático. Combinada com a megatendência da colaboração, a onda de generosidade faz nascer iniciativas em que empresas e consumidores se unem em ações de co-doação e co-decisão. 9 - Pesquisando perfis Que tipo de insights é possível tirar da avalanche de inteligência disponível nas redes sociais? Uma resposta modesta: tirar o máximo proveito dos perfis de seus usuários. Não está se falando que empresas e marketeiros devam fazer dinheiro a partir desses perfis. Mas sim de serviços que possam proteger estes perfis, oferecendo inclusive conforto e solução em caso de morte do usuário. 10 - Maturalism (mature + materialism) Ficou difícil traduzir este neologismo proposto pela Trendwatching no que ela chama de "maduralismo" (uma junção entre as palavras maduro e materialismo). A audiência está aceitando - e querendo - muito mais inovação. Quer ser desafiada e receber uma comunicação mais sofisticada. Também está mais aberto a experimentar novidades, sabores exóticos, tudo que pode ser considerado fora do convencional. Isso tudo em uma proporção muito maior que profissionais de marketing tradicionais possam imaginar. Resumindo: o consumidor dos mercados mais maduros não tolera mais ser tratado como o anteriormente desinformado e facilmente impactado consumidor.

Tags: