Este canal é patrocinado por
Este canal é patrocinado por

Mais de 35 mil atletas participam da Wings for Life World

Por: 0. 5 de Maio de 2014

Mais de 35 mil corredores se reuniram em 34 cidades de 32 países, nos cinco Continentes, em 13 fusos horários diferentes por uma nobre causa no dia 04/05: participar de uma corrida para levantar fundos para a pesquisa em busca da cura da lesão da medula espinhal. Na primeira corrida global da história, o título entre os homens ficou para o etíope Lemawork Ketama, que correu em Donautal, na Áustria e o feminino para a norueguesa Elise Molvik, que correu em Stavanger, em seu país natal.

Foto: Red Bull Content Pool.
[caption id="attachment_394451" align="aligncenter" width="562"]Lemawork Ketama foi o grande vencedor da Wings For Life World Run. Lemawork Ketama foi o grande vencedor da Wings For Life World Run.[/caption] No Brasil, a Ilha da Magia foi escolhida para sediar a prova. Em Florianópolis (SC), o vencedor foi o paulista César Miguel dos Santos, enquanto a goiana Ana Lídia Borba levou o primeiro lugar entre as mulheres.
Foto: Marcelo Maragni/Wings for Life World.
[caption id="attachment_394448" align="aligncenter" width="562"]Cesar Miguel dos Santos foi o vencedor da categoria masculina realizada na cidade de Florianópolis. Cesar Miguel dos Santos foi o vencedor da categoria masculina realizada na cidade de Florianópolis.[/caption]
Foto: Marcelo Maragni/Wings For Life World.
[caption id="attachment_394449" align="aligncenter" width="562"]Ana Lídia Borba foi a melhor brasileira na Wings for Life World Run. Ana Lídia Borba foi a melhor brasileira na Wings for Life World Run.[/caption] Para realizar a primeira edição da Wings for Life World Run, todos os competidores tiveram que enfrentar o mesmo vilão: o carro perseguidor. Ao invés de uma linha de chegada fixa, todos os atletas tinham que "fugir" do veículo, e, o último a ser alcançado, ficaria com o título. Apenas três homens em todo o mundo conseguiram ultrapassar a barreira dos 78 quilômetros: o peruano Remigio Huaman, que competiu em Lima; o etíope Lemawork Ketama e o ucraniano Evgeny Glyva, que correram na Áustria.
Foto: Red Bull Content Pool.
[caption id="attachment_394452" align="aligncenter" width="562"]A primavera encantou os competidores na Eslovênia. A primavera encantou os competidores na Eslovênia.[/caption] Depois de mais de quatro horas de prova, apenas 90 metros separaram o etíope, que superou o peruano, ficando com o título e, como prêmio, ganhou o direito de dar a volta ao mundo. Entre as mulheres, a campeã foi a norueguesa Elisa Molvik, que correu 54,79 km. Em segundo lugar, ficou a francesa Nathalie Vasseur, que competiu em Hennebont, em seu país natal; e em terceiro ficou Svetlana Shepuleva, da Moldávia, que correu em Alanya, na Turquia. No Brasil, a campeã entre as mulheres foi Ana Lídia Borba, que percorreu 37,4 km. A vitória teve um sabor especial para a atleta, já que ela mesma chegou a sofrer um choque na medula cervical em 2009.
Foto: Red Bull Content Pool.
[caption id="attachment_394453" align="aligncenter" width="562"]A bela paisagem deu um incentivo a mais aos corredores na Noruega. A bela paisagem deu um incentivo a mais aos corredores na Noruega.[/caption] "Fiquei um mês na UTI e quatro meses de cadeira de rodas. Fiquei quase três anos sem conseguir competir em alto nível e agora estou de volta. Por isso, assim que fiquei sabendo dessa corrida fiz questão de me inscrever e participar desta causa", afirmou a triatleta, que participa de provas como o IronMan. Entre os homens, o título nacional ficou com César Miguel dos Santos, de São Paulo, que percorreu 44,78 km. Depois de largar no pelotão do meio, o paulista imprimiu um bom ritmo e foi ultrapassando todos os adversários, até assumir a liderança. "Quando estava no km 41, estava em segundo lugar e aí o pessoal começou a me passar e a gritar: ‘o primeiro tá mal, o primeiro tá fraco. Corre que você passa pra ele’. Mas não me desconcentrei, mantive meu ritmo e acabei indo mais longe que ele e conquistando essa vitória", contou.
Foto: Red Bull Content Pool.
[caption id="attachment_394454" align="aligncenter" width="562"]13 fusos horários diferentes proporcionaram imagens inusitadas. 13 fusos horários diferentes proporcionaram imagens inusitadas.[/caption] Na categoria cadeirantes masculino, o santista Jaciel Paulino, tetracampeão da São Silvestre, ficou com o título. Ao contrário da prova tradicional, os atletas desta categoria tinham que alcançar o carro perseguidor. Jaciel precisou de apenas 3.870 metros para ficar em primeiro. Entre as mulheres, a vencedora foi Danielle Nobile. Mas, o mais importante desta data de 4 de maio de 2014, sem sombra de dúvida, não foi quem terminou com o título. Foi o fato de 35.396 terem se unido por uma causa, e, juntos, terem levantado quase R$ 10 milhões para a pesquisa da cura contra a lesão medular. Como disse o vencedor da categoria cadeirante Jaciel Paulino, "Essa não é uma luta pela vitória. É uma luta por algo maior e que não tem fronteira, não tem religião e não tem idade."
Foto: Red Bull Content Pool.
[caption id="attachment_394455" align="aligncenter" width="562"]Parceria e superação na corrida no Colorado. Parceria e superação na corrida no Colorado.[/caption]

Tags: