Esta página pode utilizar cookies.
Warning (2): getimagesize(/wp-content/uploads/2010/01/vilella.jpg): failed to open stream: No such file or directory [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 44]
Notice (8): Trying to access array offset on value of type bool [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 46]
Warning (2): Division by zero [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 46]
Notice (8): Trying to access array offset on value of type bool [ROOT/plugins/Amp/src/Template/Categoria/conteudo.ctp, line 46]

Carlos Henrique Vilela*

Uma prática muito comum na vida de boa parte dos leitores de promoview é fazer trabalhos freelance (projetos independentes, sem ligação empregatícia a uma empresa ou agência). E não é só coisa do pessoal da criação. Existem freelas de coordenação, divulgação, planejamento e produção, etc. Tem espaço pra todo mundo.

Os clientes podem ser empresas de menor porte que não querem contratar uma agência, agências com a pauta lotada e que precisam de mão de obra extra por um período curto, projetos e eventos de curta duração, entre outros.

É um tipo de atividade que pode ajudar a complementar a sua renda, é uma saída para quem está sem um emprego fixo e, para muitos, uma opção de carreira. Para ajudar você a entrar nessa, seguem algumas dicas:

1 - Não adianta ser bom, você precisa aparecer

Para conseguir alguns freelas, o primeiro e mais óbvio passo é ter um portfólio. Se sua área não é criação, você pode ter um portfólio de cases ou uma apresentação com suas especialidades e uma relação de clientes com quem já trabalhou (como freela ou em agência). Mas só isso não basta. Se você você não fizer uma divulgação consistente, seu site continuará esquecido, ainda que contenha alguns dos melhores trabalhos do País.

Para planners, um blog com seus cases e que evidencie sua forma de pensar pode ajudar bastante.

Para criativos, existem na internet diversos sites para você hospedar seu portifólio e buscar oportunidades. Você pode colocar suas peças em locais como o Carbonmade, Behance, Creative Binge, Coroflot, Muse, Deviant Art, Design Related, e até mesmo sites como o Orkut (no álbum de fotos) e no Flickr.

A maioria desses sites é visitada apenas por designers e publicitários, mas existem, neles milhares de web designers, por exemplo, buscando designers ou diretores de arte, agências buscando fotógrafos, designers buscando redatores, etc. O bom do Orkut e do FlickR é que o pessoal das empresas passa a ter acesso ao seu material.

2 - Organize sua agenda

Fazer freela é ser flexível, e muitos entram nessa em busca disso. Só que o que muitos não sabem, é que pra ser freela é preciso muita organização, principalmente do tempo. Para isso, o blog Ptodecontato dá algumas dicas bem interessantes:

Crie Períodos
Mesmo para os freelas que cobram um valor por projeto, trabalhar em blocos ou por etapas é muito importante para você identificar quanto tempo gastou no projeto e quanta grana está fazendo. Trabalhar em etapas tem outros benefícios também, como: se você sabe que não consegue ficar parado na frente de um computador por um certo período de tempo, você pode fazer uma agenda baseado em um limite de tempo que esteja acostumado a trabalhar. Tem gente que trabalha em blocos de 30 min, tem gente que trabalha de hora em hora.

Um medidor pode ser o desconforto que você sente quando está sentado por mais que o necessário. Se você começa a se mexer muito na cadeira é porque está começando a perder a concentração. Acostumar-se com esses blocos de tempo facilitará muito o agendamento de um projeto. Uma vez fixado o período você terá bem demarcado o que consegue fazer em 30 min. ou em 1 hora, isso fará com que você evite o overbooking.

Qual é a hora que você funciona mais?
Existem clientes que podem pensar que você trabalha na Austrália baseado no horário que você trabalha. Quando na verdade você está na sua casinha brazuca, mas começa a trabalhar lá pelo horário que o Sol se põe. Tem gente que simplesmente não funciona de dia. Identifique com carinho qual é o horário que você funciona melhor. Às vezes, não é aquele que foi imposto por anos a fio. Isso fará com que você melhore qualitativamente e em termos de quantidade também.

Enquanto você tiver outros fatores controlando sua agenda, como crianças, encontrar um horário onde você possa produzir durante as suas horas mais produtivas talvez seja difícil, mas vale a pena o esforço.

Bloqueie horário para clientes
Como uma regra geral, freelas tem que gastar algum tempo se comunicando com clientes - seja por telefone ou em reunião ou outra opção - você geralmente não está produzindo nestas horas que você tem que lidar com clientes. Sua agenda pode refletir isso, suas reuniões com clientes podem acontecer nas partes do dia em que você não estaria metendo a mão na massa nos projetos. Claro que essas horas sempre caem quando o cliente está disponível para te atender.

Deixe claro desde o início as regras do jogo, fixe um horário e diga que estará disponível neste período para atendê-los.

Automatize o processo
Você não se tornou um freela para gerenciar os processos administrativos do seu negócio: você quer desenhar, escrever ou utilizar seus outros talentos. Então utilize ferramentas para fazer cada parte da sua agenda automática e deixar você fazer o que você de fato tem que fazer. Há um zilhão de aplicativos na web que são bem bons. É mais uma questão de encontrar um que se encaixe no seu perfil. Tem por exemplo o Bookfresh que permite que os seus clientes marquem encontros com você sem que você tenha que ver a sua disponibilidade ou outros fatores. Ter um sistema deste facilita bastante. Se você tiver que mudar sua agenda caso apareça um imprevisto, o sistema informará seus clientes da situação.

3 - Tenha um excelente relacionamento com seus clientes

Não basta conquistar clientes e fazer um bom trabalho. É preciso mantê-los e conquistar sua confiança. Para isso, vou utilizar algumas dicas bem interessantes da McKenzie Koch, em um texto recente no Advertising Age, publicação na qual é colunista:

Seja profissional
Contratar um freelancer é, muitas vezes, uma forma de identificar um empregado em potencial. Seja profissional - cumpra seus prazos e comporte-se como um integrante da equipe do seu cliente, seja uma empresa ou agência - que você será visto como tal, além de receber diversas recomendações e novos trabalhos.

Comunique-se bem

Ao discutir sobre potenciais projetos, tenha uma visão clara do que é esperado de você. Especificações são vitais. Quais são os prazos? Você conseguirá cumprí-los? Devemos nos encontrar para avaliar o progresso do trabalho? Fazer perguntas para obter clareza nas informações te permitirá, consistentemente, produzir trabalho de qualidade. Clareza e comunicação vão tornar essa relação cada vez melhor.

Estime com inteligência
Quer colocar um fim nas oportunidades futures de freela? Entregue uma fatura significantemente maior do que seu orçamento. Você está vendendo seu tempo. Tenha certeza de que tenha detalhes suficientes para estimar com precisão o tempo que precisará. É crucial acertar.

Saiba qual é o seu valor
Freelancers geralmente não sabem exatamente qual é o seu próprio valor. Pesquise o valor das horas e estruturação desses projetos na sua área antes de começar as negociações. Os novatos tendem a subestimar seus serviços. Só lembre-se de levar em conta a experiência do seu concorrente local. Superestimar seu valor vai dificultar a contratação do seu trabalho.

[caption id="attachment_44888" align="aligncenter" width="285" caption="Publicitário, especialista em Gestão de Marketing pela FDC. Palestrante e Planner na Tom Comunicação, em Belo Horizonte, MG."][/caption]